Ex-integrante da operação Condor já está na Argentina

O major uruguaio de reserva Juan Manuel Cordero Piacentini foi levado hoje em uma ambulância até o meio da ponte internacional que liga a brasileira Uruguaiana e a argentina Paso de los Libres. Ali, Cordero - acusado pela Justiça em Buenos Aires de ter aplicado torturas a 32 civis (27 uruguaios e cinco argentinos), o assassinato de outras dez pessoas - entre os quais dois parlamentares uruguaios - além do sequestro de um bebê, foi entregue às autoridades argentinas, que o levaram em outra ambulância.

AE, Agencia Estado

23 de janeiro de 2010 | 18h29

Nos próximos dias o militar uruguaio - um dos principais torturadores da Operação Condor (o plano de coordenação entre as ditaduras do Cone Sul nos anos 70 e 80 para a troca de informações e prisioneiros políticos), sentará no banco dos réus em Buenos Aires.

Cordeiro, de 71 anos, passou por um novo exame médico e as autoridades argentinas comprometeram-se em continuar seu tratamento cardíaco em Buenos Aires, onde será julgado. Tudo indica que Cordero ficará na penitenciária de Marcos Paz, na província de Buenos Aires.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Condorextradição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.