Ex-integrante de ditadura Argentina revela local de desaparecidos

Ernesto Barreiro entrega à Justiça lista com nomes de 25 vítimas de repressão e identificou dos locais onde estariam enterradas

O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2014 | 20h33

BUENOS AIRES - O ex-chefe de interrogadores de um dos principais centros de detenção e tortura na ditadura militar na Argentina, Ernesto Barreiro, afirmou nesta quinta-feira que entregou à Justiça uma lista com os nomes de 25 vítimas de repressão e identificou dos locais onde estariam enterradas.

Barreiro está sendo julgado por crimes contra a humanidade cometidos no centro clandestino La Perla, na província de Córdoba, a 800 quilômetros a noroeste de Buenos Aires. Ele entregou a um tribunal na quarta-feira alguns nomes dos 400 dissidentes listados como desaparecidos.

A confissão causou um grande impacto porque Barreiro é uma figura emblemática da repressão ilegal que aparentemente quebrou o pacto de silêncio que mantêm a maioria dos militares julgados por atos ocorridos durante o regime militar, de 1976 a 1983.

Questionado sobre o motivo que o levou a entregar essa informação, Barreiro afirmou à rádio Mitre, de Córdoba, que responde a "uma obrigação moral com os que sofrem". Além disso, a Justiça admite uma redução de pena para os acusados que colaborarem com o esclarecimento de crimes.

Barreiro foi um dos líderes do golpe militar em 1987, durante o governo democrático de Raúl Alfonsín, que forçou a promulgação de leis de anistia para acusados de crimes contra a humanidade. Ele fugiu para os Estados Unidos, mas foi extraditado para a Argentina em 2007. Quase duas décadas mais tarde as leis foram revogadas, permitindo a reabertura de centenas de casos. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinaditadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.