Ex-líder buscou laços melhores com Pyongyang

Político liberal de origem humilde, Roh Moo-hyun foi eleito presidente da Coreia do Sul em 2002 com a promessa de moralizar o governo e melhorar as relações com Washington e Pyongyang. Na presidência, chegou a passar por processo de impeachment, mas governou até o fim do mandado, em 2008. Ao deixar o cargo, ele e sua família foram acusados de receber US$ 6 milhões em suborno. Pressionado, suicidou-se dia 23, aos 62 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.