Ex-líder do Khmer Vermelho reconhece genocídio

O ex-chefe de Estado do Khmer Vermelho, Khieu Samphan, reconheceu, pela primeira vez, que seu regime cometeu genocídio. Khieu deverá comparecer perante um tribunal patrocinado pelas Nações Unidas. A admissão, surpreendente, parece ser uma tentativa de Khieu de dar sua versão sobre o papel que desempenhou na sangrenta aventura comunista do Camboja.Khieu Samphan, um dos poucos líderes sobreviventes do Khmer Vermelho, reiterou que nunca ordenou nenhuma execução, e insistiu que só veio a descobrir a verdadeira extensão da matança dois meses atrás, em um documentário. ?Tudo tem de ser julgado agora, não há outra maneira?, disse o ex-líder de 72 anos, por telefone. ?Quero que público me compreenda, também. Não estive envolvido nas matanças?.Cerca de 1,7 milhões de cambojanos foram executados ou morreram de fome, doenças e exaustão durante o governo do Khmer Vermelho, entre 1975 e 1979, que pretendia criar uma utopia agrária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.