Ex-membro da força aérea é suspeito em Bali

O chefe de polícia da ilha de Bali, na Indonésia, Budi Setyawan, disse nesta quarta-feira que não pode negar ou confirmar a veracidade sobre o homem, ex-membro da força aérea, que teria confeccionado as bombas que mataram 181 pessoas no último fim de semana na ilha.?Estamos investigando?, respondeu Setyawan ao ser questionado sobre o artigo publicado no jornal norte-americano The Washington Post com a história do ex-membro da força aérea da Indonésia. Segundo o jornal, a informação foi dada por um oficial de segurança da Indonésia, que garantiu que o suposto terrorista já estaria preso e que teria lamentado o grande número de mortos na explosão.O artigo, publicado da edição eletrônica da The International Herald Tribune, diz que o suspeito aprendeu a mexer com explosivos quando era militar da aviação, de onde saiu por má conduta.Fontes da segurança Indonésia confirmaram ao jornal que o Governo de Jacarta foi informado com uma semana de antecedência da preparação de um atentado por fundamentalistas islâmicos. A partir disso, diz o artigo, intensificou-se as medidas de segurança no país, mas ninguém imaginou que o alvo seria a ilha de Bali. Até agora, nenhum grupo assumiu a autoria das explosões do último sábado, que matou na sua maioria turistas estrangeiros. A polícia da Indonésia está interrogando dois suspeitos. A Indonésia e os países ocidentais acusaram a rede Al-Qaeda, de Osama bin Laden, e seus seguidores locais de serem os autores do atentado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.