Ex-militar pacifista é favorito nas primárias trabalhistas

O Partido Trabalhista de Israel prepara-se para eleger seu líder para uma campanha eleitoral de dois meses que promete ser uma acirrada disputa com o Likud, partido do primeiro-ministro Ariel Sharon.Pesquisas divulgadas hoje, um dia antes da votação, mostram o ex-general Amram Mitzna bem à frente de Binyamin Ben-Eliezer,atual líder do partido, cujas propostas foram erodidas durante os quase 20 meses de serviço como ministro de Defesa do "governo de unidade" de Sharon.A liderança de Mitzna "é resultado de uma ansiedade no partido por algo diferente", escreveu Uzi Baram, um veterano líder da agremiação, em artigo publicado pelo jornal Yediot Ahronot.Porém, segundo Baram, "apenas um milagre eleitoral evitará que o Likud forme um governo após as próximas eleições". Os trabalhistas estão atrás de uma mensagem que mexa com oseleitores.Num debate na semana passada com Ben-Eliezer e o outro candidato, Haim Ramon, Mitzna disse que como primeiro-ministro negociaria com Yasser Arafat, mas apenas como último recurso. Num discurso posterior, ele disse defender "a retomada das negociações de paz sem condições prévias".O eleitorado israelita moveu-se para a direita após mais de dois anos de conflito com os palestinos terem deixado 1.932 mortos entre os palestinos e 663 entre os israelenses. Sharon recusa-se a negociar a paz enquanto a violência não acabar por completo.Cerca de 120.000 pessoas podem votar amanhã nas primárias do Partido Trabalhista. Os resultados deverão ser anunciados poucoapós o fechamento das urnas, às 21h locais.Numa pesquisa entre 500 simpatizantes do partido publicada hoje pelo jornal Maariv, Mitzna lidera com 56% das intenções de voto, Ben-Eliezer tem 25% e Ramon, 6%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.