Ex-miss combate aborto e união gay

Ultraconservadora, vice de McCain defende armas e irrita ecologistas

AP, Dayton, EUA, O Estadao de S.Paulo

30 de agosto de 2008 | 00h00

Sarah Palin, 44 anos, a companheira de chapa do republicano John McCain, é governadora do Alasca desde 2006. Ultraconservadora, opõe-se às leis pró-aborto, ao casamento de homossexuais e defende o porte de armas. Casada há 20 anos, tem cinco filhos. O caçula, nascido em abril, é portador da síndrome de Down. O filho mais velho, Track, de 19 anos, entrou para o Exército em setembro do ano passado e será enviado para o Iraque no mês que vem.Com seu marido, Todd, ela tem um dos mais inusitados casamentos entre todos os chefes de governos estaduais do país. Todd trabalha em um campo de petróleo da britânica BP. No verão, ganha a vida como pescador. Ele é campeão da corrida de carros de neve mais popular do Alasca, a Iron Dog, uma maratona de mais de 3 mil quilômetros. Em casa, é ele quem cuida da cozinha, paga as contas e leva as crianças para a escola.MISS ALASCAEm 1982, Sarah foi campeã estadual de basquete colegial. Dois anos depois, ganhou o concurso de miss em sua cidade natal, Wasilla, de 9 mil habitantes, mas perdeu a coroa de Miss Alasca, no mesmo ano. Os detalhes inusitados de sua vida privada acabaram ajudando em sua curta biografia política. A governadora é fã de hambúrgueres de carne de alce, iguaria comum no Alasca, e nunca escondeu de ninguém que fumou maconha quando jovem - embora faça questão de dizer não gostou e só usou a droga na época em que ela era legal no Estado.Sarah é membro da Associação Nacional do Rifle, poderoso lobby de defesa do porte de arma nos EUA. Mais do que pescar e caçar, ela gosta de ser fotografada ao lado das presas - é comum imagens de Sarah segurando um peixe ou sendo entrevistada num sofá coberto com pele de urso.Ela se formou em jornalismo pela Universidade de Idaho, em 1987, e chegou a trabalhar por um curto período num canal de TV especializado em esportes. Sua eleição para a Câmara Municipal de Wasilla, em 1992, porém, fez com que ela mudasse os rumos de sua carreira. Depois de eleita presidente da Câmara, em 1996, e de mais dois mandatos, foi convencida a candidatar-se ao cargo de vice-governadora, em 2002, mas acabou derrotada na disputa interna do partido. O troco ela deu quatro anos depois, liderando a chapa e se tornando a primeira mulher a governar o Alasca, em 2006.É considerada uma estrela em ascensão no partido. Como governadora, realizou algumas reformas bem-sucedidas em um dos Estados mais corruptos dos EUA e ganhou bons índices de aprovação popular - mais de 80%, de acordo com pesquisas divulgadas em julho. Como governadora, contudo, Sarah também fez inimigos, principalmente entre os ecologistas. Ela defende a construção de um gasoduto para transportar gás natural pelo Alasca e a abertura da Reserva Natural do Ártico para a exploração de petróleo. Em maio, ela irritou ainda mais os ambientalistas ao questionar judicialmente a inclusão do urso polar em uma lista de animais que correm risco de extinção. A justificativa de Sarah é que a lista - feita pelo próprio governo Bush - poderia prejudicar a exploração de petróleo em reservas naturais onde vivem os ursos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.