AFP PHOTO / MANDEL NGAN
AFP PHOTO / MANDEL NGAN

Ex-modelo da Playboy quer falar sobre affair que afirma ter tido com Trump

Assim como a atriz pornô Stormy Daniels, Karen McDougal quer anular validade de pacto de confidencialidade que assinou para ficar calada sobre relação

O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 15h42

NOVA YORK - Karen McDougal, uma ex-modelo da Playboy que afirma ter tido um caso amoroso com o presidente americano, Donald Trump, entrou nesta terça-feira, 20, com uma ação na Justiça para anular um acordo de confidencialidade que assinou em troca de seu silêncio. Ela se tornou a segunda mulher a revelar o lado Don Juan do magnata e a prejudicar os esforços de aliados republicanos que não conseguem acabar com os relatos sobre suas relações extraconjugais.

 

Karen, que ainda trabalha como modelo, está processando a empresa American Media, dona do tabloide The National Enquirer, que lhe pagou US$ 150 mil – o diretor da publicação é amigo de Trump. 

+ Trump pede US$ 20 milhões a atriz pornô por quebrar pacto de silêncio

A outra mulher que processa o presidente, a atriz pornô Stephanie Clifford, conhecida como Stormy Daniels, recebeu US$ 130 mil do advogado de Trump, Michael Cohen, para não revelar detalhes de seu caso com o presidente – ela também tenta anular o acordo de confidencialidade na Justiça. Trump nega que tenha tido um caso extraconjugal. 

No processo, Karen afirma que Cohen esteve envolvido secretamente em conversações com a American Media. A modelo diz que foi enganada na época ao assinar o pacto de confidencialidade, tanto pela empresa quanto pelo advogado dele. 

Ela alega que, após conversar com a revista New Yorker, no mês passado, foi ameaçada pela American Media. De acordo com Karen, ela foi alertada que “quaisquer outras revelações infringiriam o contrato” e “causariam danos financeiros consideráveis”.

Em um e-mail ao jornal New York Times, o novo advogado de Karen, Peter Stris, acusou a American Media de realizar “um esforço multifacetado para silenciar” sua cliente.

A NBC News informou ontem que Stormy Daniels foi submetida, em 2011, a um detector de mentiras. Segundo as medições do aparelho, ela disse a verdade quando afirmou ter feito sexo sem proteção com Trump, em 2006 – pouco tempo depois do nascimento de seu filho caçula, Barron, que ontem completou 12 anos. 

Na sexta-feira, um escritório de advocacia que representa Trump informou que pedirá US$ 20 milhões de indenização da atriz pornô por ela ter violado o acordo de confidencialidade que assinou sobre sua relação com o presidente.  / NYT  


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.