Ex-mordomo de Bento XVI declara-se inocente de furto

O ex-mordomo de Bento XVI declarou nesta terça-feira que é inocente das acusações de furto agravado da correspondência do papa, mas reconheceu que fotocopiou os papéis e traiu a confiança do pontífice, quem ele disse amar como a um pai.

AE, Agência Estado

02 de outubro de 2012 | 12h13

Promotores afirmam que Paolo Gabriele, de 46 anos, roubou as cartas e documentos que tratavam de disputas de poder e corrupção no Vaticano e as passou para um jornalista italiano, no maior escândalo do pontificado de Bento XVI. O ex-mordomo pode pegar até quatro anos de prisão se for considerado culpado, mas a maioria dos especialistas em Vaticano afirmam que ele receberá o perdão papal se condenado.

Quando foi preso, Gabriele disse que vazou os documentos porque queria expor o "mal e corrupção" na Igreja. Ele manteve a confissão perante o juiz nesta terça-feira. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Vaticanomordomopapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.