Ex-mordomo é acusado de furtar objetos de Diana

Nos dias posteriores ao acidente fatalque matou a princesa Diana, seu mordomo se apoderou de doisvestidos e outros pertences pessoais do palácio onde ela moravaem Londres, disse nesta terça-feira a promotoria a um corpo de jurados. Hoje, durante seu julgamento, Paul Burrell declarou-seinocente de três acusações relativas ao furto de centenas deobjetos de Diana e de outros membros da família real. Burrell, de 44 anos, é acusado de se apropriar de mais de 300objetos entre 1º de janeiro e 1997 e 30 de junho de 1998.Trata-se, ao que parece, de cartas, fotografias, jóias e CDspertencentes a Diana, o príncipe Charles e o príncipe William,que estavam no Palácio de Kensington, a moradia londrina daprincesa. O promotor William Boyce disse que Burrel chegou emKensington durante uma madrugada, pouco depois da morte daprincesa, em 31 de agosto de 1997 em um acidente automobilísticoem Paris. Um policial que reconheceu o automóvel de Burrell "chamouseu oficial de guarda para controlar a situação porque aprincesa havia morrido. Que tipo de trabalho ele (Burrell)estaria executando às três e meia da madrugada", questionouBoyce. "O senhor Burrel retornou com o que parecia ser uma caixa ea colocou na parte posterior do automóvel. Depois, voltou aopalácio e retornou com o que pareciam ser dois vestidos de noitee também os colocou no veículo", acrescentou. Quando o segurança o interrogou, Burrell afirmou que estavaretirando "alguns objetos que a família me pediu paradestruir", disse Boyce. Mas lady Sarah McCorquodale, irmã de Diana e uma das pessoasencarregadas de seu testamento, confirmou que ninguém haviaautorizado a retirada de qualquer pertence de Diana deKensington. O promotor disse que os objetos que o acusado teriase apropriado haviam sido identificados por McCorquadela, que"não entende o motivo por estarem em poder de Burrell".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.