JAVIER MAMANI / AFP
JAVIER MAMANI / AFP

Ex-namorada de Evo é presa por tráfico de influência na Bolívia

Gabriela Zapata é acusada de intermediar negócios de US$ 566 mi com o governo; escândalo prejudicou presidente em referendo

O Estado de S. Paulo

26 de fevereiro de 2016 | 14h27

A advogada Gabriela Zapata, ex-namorada do presidente Evo Morales, foi presa nesta sexta-feira, 26, na Bolívia, suspeita de tráfico de influência.Ela é gerente da multinacional chinesa CAMC, signatária de contratos de US$ 566 milhões com o Estado boliviano. 

LA PAZ - O ministério do Interior confirmou a prisão em sua conta no Twitter. " A cidadã Gabriela Zapata foi presa e está numa cela da Força de Luta contra o crime", diz a mensagem.

Gabriela namorou com Evo em 2007. Os dois tiveram um filho, que morreu com um ano de idade. O jornalista boliviano Carlos Valverde revelou o caso e afirmou que o envolvimento da advogada na assinatura dos contratos configuraria tráfico de influência. 

A denúncia foi feita a três semanas da eleição do referendo constitucional que permitiria a Evo disputar seu quarto mandato. Ele foi derrotado por 51% a 49% dos votos e analistas dizem que o escândalo contribuiu para sua derrota. 

A pedido de Evo, os contratos do governo com a empresa chinesa são investigadas pela Controladoria-Geral do Estado, comandada por um governista, e por uma comissão do Parlamento, no qual o Movimento ao Socialismo (MAS) tem a maioria.

Evo atribuiu sua derrota no referendo de domingo, no qual os bolivianos recusaram sua tentativa de se candidatar às eleições em 2019, à repercussão da denúncia nas redes sociais durante a campanha,  que considerou uma "guerra suja".

Quando veio a público a relação que manteve com Gabriela, o líder disse que não tinha voltado a vê-la desde que se separaram em 2007, mas sua versão foi desmentida pela aparição de fotografias de 2015, nas quais posaram juntos durante o carnaval.

O líder justificou que muitas pessoas se aproximam a ele para tirar fotos e que sua ex-companheira pareceu ser um "rosto conhecido", embora posteriormente tenha percebido que era realmente Gabriela Zapata. /EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.