REUTERS/Lucas Jackson
REUTERS/Lucas Jackson

Ex-namorada de Jeffrey Epstein é presa nos EUA acusada de aliciar meninas

Ghislaine Maxwell teria colaborado em esquema de tráfico sexual de meninas

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2020 | 13h29

NOVA YORK - A britânica Ghislaine Maxwell, acusada pela justiça americana de colaborar com Jeffrey Epstein, seu ex-namorado, com o tráfico sexual de meninas, foi presa pelo FBI nesta quinta-feira, 2, no estado de New Hampshire, nos Estados Unidos. 

Promotores de Nova York tentavam interrogá-la desde a prisão de Epstein há quase um ano, mas até esta quinta ela não havia sido acusada de nenhum crime. Maxwell, de 58 anos, deve comparecer em uma audiência com um juiz federal em New Hampshire para esclarecer as acusações de aliciar meninas que depois seriam abusadas por Epstein.  

Maxwell responde por seis acusações: seduzir menores a viajar para se envolver em atos sexuais ilegais, transportar menores com intenção de se envolver em atividades sexuais, duas acusações de formação de quadrilha e duas acusações de falso testemunho. 

Jeffrey Epstein, que se declarou inocente, cometeu suicídio aos 66 anos de idade em uma prisão de Nova York em agosto de 2019, onde aguardava julgamento por tráfico sexual de crianças. Os promotores de Nova York ainda investigam o caso.

Amizades ricas e famosas 

Várias das acusadoras de Epstein disseram que Maxwell era quem mantinha uma rede de meninas para satisfazer os prazeres sexuais do financista e de vários de seus amigos ricos e famosos. Os promotores também questionam o príncipe Andrew da Grã-Bretanha, amigo de longa data de Maxwell. Foi ela quem o apresentou a Epstein, e os dois se tornaram amigos.

A promotoria de Nova York acusa o príncipe Andrew de não querer cooperar com a investigação - ele nega. O príncipe de 60 anos também refuta taxativamente as acusações de que fez sexo com uma garota de 17 anos que Epstein teria arranjado para ele. 

"Ela orquestrou tudo para Jeffrey", disse uma das acusadoras de Epstein, Sarah Ransome, que o processou em 2017, em entrevista ao The New York Times. 

A jovem, Virginia Giuffre, alega que foi traficada para fazer sexo com Epstein e seus amigos e disse que fez sexo com o príncipe na casa de Maxwell em Londres em 2001. O segundo filho da rainha Elizabeth II foi forçado a abandonar seus deveres reais devido à polêmica desencadeada por uma entrevista em 2019 na qual defendeu sua amizade com Epstein. 

Epstein gerenciava um fundo de investimento que administrava milhões de dólares e era amigo de muitas celebridades, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Dezenas de suas vítimas processaram seus herdeiros para obter justiça, apesar de sua morte. Maxwell entrou com uma ação judicial em março de 2019 contra os herdeiros de seu ex-namorado e alegou que não tinha conhecimento de seus crimes sexuais com garotas. / NTY e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.