Reproduçaõ/Facebook
Reproduçaõ/Facebook

Ex-namorado ataca miss italiana com ácido

Após separação, rapaz jogou ácido no rosto de Gessica Notaro, que pode perder a visão de um olho

O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2017 | 20h54

ROMA - A ex-miss da Itália Gessica Notaro, de 28 anos, foi atacada pelo ex-namorado, que jogou ácido em seu rosto, em um dos primeiros casos de violência de gênero no país este ano. Nesta sexta-feira, Jorge Edson Tavares, natural de Cabo Verde, compareceu à Justiça e disse ser inocente da acusação. 

Gessica está internada em um hospital da cidade italiana de Cesena (norte), onde se recupera das lesões sofridas no rosto e no pescoço em consequência do ataque do ex-namorado. 

Segundo a mídia local, os médicos temem que ela possa perder a visão do olho esquerdo. "Não me preocupa se ficarei desfigurada. Quero apenas recuperar a visão, já vejo com um olho e estou feliz", disse Gessica em uma entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal local Il Resto del Carlino.

Por sua vez, o suspeito da agressão está em prisão preventiva na penitenciária de Rimini (norte), onde depôs a um juiz de primeira instância e defendeu sua inocência.

O ataque ocorreu na terça-feira. Tavares teria jogado ácido sobre o rosto dela quando Gessica chegava em casa com seu novo namorado.

"Eu o vi, vi que Eddy tinha na mão uma garrafa de plástico e estava vestido de negro. Não disse nenhuma palavra, lançou o líquido e fugiu. Fui atrás dele por uns metros, gritando de dor, o rosto ardia e a vista ficava cada vez mais turva", disse Gessica em entrevista.

Gessica trabalha como modelo e cantora e chegou a ser finalista do concurso miss Itália de 2007. Tavares, por sua vez, chegou há alguns anos à Itália, é separado e tem um filho. 

Os dois se conheceram em Rimini e mantiveram uma relação turbulenta por dois anos. Chegaram a morar juntos, mas em agosto Gessica pôs fim ao relacionamento por suposto ciúme excessivo de Tavares. Na ocasião, ela sofreu assédio do ex-namorado e apresentou uma denúncia à polícia que emitiu uma ordem de afastamento, que Tavares teria violado na terça-feira. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.