AFP PHOTO / Adalberto ROQUE
AFP PHOTO / Adalberto ROQUE

Ex-negociador de paz das Farc é preso na Colômbia e pode ser extraditado para os EUA

Seusis Pausivas Hernández, conhecido como Jesús Santrich, responderá por ‘delitos de narcotráfico cometidos depois da assinatura do acordo de paz’

O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 14h17

BOGOTÁ - Um dos ex-negociadores de paz das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, grupo que se converteu recentemente no partido político Força Alternativa Revolucionária do Comum), conhecido como Jesús Santrich, foi preso na segunda-feira 9 na Colômbia por narcotráfico e pode ser extraditado para os EUA, anunciou o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

+ Dois jornalistas e um motorista são sequestrados na fronteira do Equador com a Colômbia

+ Direita vence legislativa na Colômbia com discurso contra o acordo de paz

"Se cumpriu o devido processo legal - e com provas irrefutáveis -, há espaço para a extradição por delitos cometidos depois da assinatura do acordo (de paz). Não hesitarei em autorizá-la", afirmou Santos em uma mensagem enviada da sede de governo.

+ Farc transfere sua batalha para o Congresso na Colômbia

+ Líder da Farc retira candidatura à presidência da Colômbia por problemas de saúde

Aos 51 anos e com deficiência visual, Santrich, cujo nome de registro é Seusis Pausivas Hernández, está envolvido, segundo a Procuradoria, em "delitos de narcotráfico cometidos depois da assinatura do acordo de paz", explicou o presidente.

Santos enfatizou que o acordo, que permitiu o desarmamento de aproximadamente 7 mil ex-combatentes, prevê que nenhum ex-guerrilheiro seja entregue aos EUA por narcotráfico caso tenha renunciado a essa atividade depois da assinatura do acordo no final de 2016.

Santrich estaria envolvido no envio de dez toneladas de droga entre junho de 2017 e abril deste ano. Esses fatos "constituem o delito de conspiração para exportar cocaína aos EUA", acrescentou o procurador-geral Néstor Humberto Martínez durante uma declaração à imprensa.

Crítico

O pacto de paz que permitiu o desarmamento das Farc na Colômbia entrou no "ponto mais crítico" após a prisão de Santrich, advertiu o partido político. "Com a captura de nosso camarada Jesús Santrich o processo de paz se encontra no ponto mais crítico e ameaça ser um verdadeiro fracasso", disse o porta-voz Iván Márquez em um comunicado lido em Bogotá.  

Para a Farc, a detenção é parte de um "plano orquestrado pelo governo dos EUA com a participação da Procuradoria colombiana". 

A Casa Branca anunciou nesta terça-feira, 10, o cancelamento da viagem do presidente americano, Donald Trump, a Bogotá, assim como de sua participação na Cúpula das Américas de Lima. O republicano tem questionado o governo de Santos pelo aumento dos cultivos para o tráfico.

"É claro que estamos diante de outra montagem da desonesta justiça americana, como aconteceu com os processos contra Simón Trinidad", detento em uma prisão americana, disse Márquez. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.