Ex-negociador iraniano apresenta soluções para questão nuclear

O braço direito do líder supremo do Irã, Hassan Rowhani, propôs novas alternativas para que seu país saia o impasse nuclear com a comunidade internacional, incluindo a ratificação de um acordo permitindo a realização de inspeções surpresas em suas usinas nucleares.As propostas foram apresentadas em uma carta enviada por Rowhani para a revista Time. A mensagem foi publicada posteriormente no site da revista nesta quarta-feira.Rowhani - que foi o principal negociador nuclear iraniano até ser substituído por ordem do presidente Mahmoud Ahmadinejad no ano passado e agora representa o Aiatolá Ali Khamenei no Conselho Supremo de Segurança Nacional - mostrou oito alternativas para resolver os problemas nucleares do Irã. O fortalecimento das inspeções da ONU às usinas nucleares é uma das questões abordadas por ele, que descartou o congelamento do enriquecimento de urânio - como exige os EUA.Ahmadinejad tem criticado acidamente as propostas de Rowhani, principalmente as que ele fez enquanto era o negociador nuclear oficial.Na carta, Rowhani disse que o Irã poderia "considerar ratificar" o Protocolo Adicional ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), que permite que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU continue a conduzir inspeções surpresa a suas usinas. O Irã assinou o protocolo em 2003, mas nunca ratificou o documento no parlamento.No último domingo, o Parlamento iraniano ameaçou forçar o governo a retirar sua assinatura do protocolo e rever os procedimentos para também se retirar do TNP ao mesmo tempo, mas o atual negociador, Ali Larijani, disse nesta terça-feira que Teerã não tem qualquer intenção de se retirar do tratado.Em outras propostas feitas pelo Irã no passado, Rowhani disse que Teerã concordaria em negociar a revisão de seu processo de enriquecimento nuclear.Rowhani também disse que Teerã negociaria com a AIEA para "uma presença continua de inspetores no Irã para verificar a credibilidade de seu programa e não deixar qualquer dúvida" sobre ele."Está em tempo de se acabar com o sensacionalismo. Vamos parar e pensar duas vezes sobre o caminho que estamos tomando", escreveu Rowhani.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.