Frederick M. Brown/AFP
Frederick M. Brown/AFP

Mais duas mulheres acusam Trump de cometer abuso

Uma participante do programa 'O Aprendiz' e uma fotógrafa fizeram as novas denúncias

O Estado de S. Paulo

14 Outubro 2016 | 19h31

LOS ANGELES - Ex-participante do programa de televisão O Aprendiz nos Estados Unidos, Summer Zervos acusou nesta sexta-feira o candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, de abuso sexual, um caso que se soma a outro revelado também nesta sexta-feira pelo jornal The Washington Post.

Outra mulher alegou nesta sexta-feira que o candidato republicano à Casa Branca a acariciou sem consentimento no início dos anos 90, apesar de a campanha de Trump ter negado a denúncia. 

Em entrevista coletiva organizada em Los Angeles, na Califórnia, Summer, acompanhada de sua advogada, Gloria Allred, afirmou que Trump a beijou e a acariciou em 2007 no Hotel Beverly Hills.

A mulher, que participou da quinta temporada do programa apresentado por Trump, disse que decidiu denunciá-lo depois de várias mulheres terem feito o mesmo nos últimos dias e, especialmente, após a publicação de um vídeo de 2005 no qual o empresário faz vários comentários sexuais com linguagem vulgar.

Summer foi eliminada do reality show, mas garante que continuou se encontrando com Trump porque via chances de trabalhar com o empresário.

Ela revelou à imprensa que Trump a chamou para jantar durante uma visita à cidade de Los Angeles. Ela aceitou o convite e, quando chegou ao hotel, a equipe de segurança do empresário a acompanhou até um bângalo - não ao restaurante - e lá ocorreu o incidente.

"Ele me agarrou pelo ombro, começou a me beijar agressivamente e colocou a mão eu meu peito. Eu resisti e fui para outra sala. Depois, ele reapareceu, me pegou pelas mãos e me levou ao quarto", indicou a ex-participante do programa comandado pelo candidato.

No quarto, disse Summer, Trump a convidou para assistir televisão. Depois, o empresário teria começado a tocar em suas próprias partes íntimas.

Assim que o jantar chegou, os dois começaram a falar de negócios, mas nenhum dos planos discutidos chegou a se materializar. Por isso, Summer acredita que Trump não lhe deu oportunidades por ela ter se negado a manter relações sexuais com ele.

A advogada da ex-participante da versão americana do programa O Aprendiz disse que há duas testemunhas que podem confirmar a história de sua cliente. No entanto, Summer não deve entrar com um processo contra o empresário.

"Não existe conspiração nenhuma. Só você e unicamente você quem o colocou à beira do precípicio", disse a advogada, citando declarações de Trump, que alega estar sendo vítima de um complô envolvendo a imprensa e a democrata Hillary Clinton.

No segundo caso, em declarações ao Post, Kristin Anderson, que agora tem 46 anos e trabalha como fotógrafa na Califórnia, afirmou que o incidente ocorreu em um clube noturno de Manhattan, em Nova York.

Em entrevista ao jornal, a ex-modelo disse que Trump colocou a mão sob sua saia e a tocou. Segundo Kristin, Trump sentou a seu lado enquanto ela conversava com uma amiga e agiu sem que tivessem trocado uma palavra. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.