Ex-policial italiano seqüestra avião pela segunda vez

Um homem que seqüestrou um avião na França em 1999 voltou a atacar nesta quarta-feira. Ele ameaçou explodir um avião que sobrevoava a Suíça com 64 pessoas a bordo, informou a polícia. Ele rendeu-se após o pouso do avião em Lyon, no sul da França. Ninguém ficou ferido.O homem - identificado pela polícia francesa como Stefano Savorani, um ex-policial italiano com histórico de deficiência mental - dizia pertencer à rede extremista Al-Qaeda e segurava um controle remoto de televisão que afirmava estar conectado a uma bomba, informaram as autoridades francesas.O MD-80 da Alitalia, no entanto, pousou em segurança depois de Savorani, de 29 anos, ter exigido que a rota da aeronave fosse desviada rumo a Lyon, a segunda maior cidade da França, e que pudesse conversar com os jornalistas.Autoridades disseram que o seqüestrador libertou seus reféns em duas levas. O avião partiu de Bolonha, na Itália, com destino ao Aeroporto Charles de Gaulle, nos arredores de Paris. Não havia explosivos a bordo e Savorani entregou-se à tropa de elite da polícia francesa.Em 1999, Savorani seqüestrou um avião da Air France que voava de Marselha a Paris com 76 pessoas a bordo e obrigou o piloto a aterrissar a aeronave num outro aeroporto de Paris, onde algumas pessoas foram mantidas reféns durante três horas."Meu Deus, ele fez isto de novo!" Esta foi a reação de Orella Savorani, mãe de Stefano, ao receber a notícia de que o filho voltara a seqüestrar um avião, informou a agência de notícias Ansa. "Passei horas aguardando ansiosa porque ele não voltava para almoçar."De acordo com a polícia francesa, Savorani foi afastado da força policial italiana no fim dos anos 90 devido a graves problemas mentais. Segundo a Ansa, Orella Savorani disse que o filho estava sendo tratado por esquizofrenia.Ela contou que o filho lhe pediu 500 euros emprestados pela manhã, dizendo que precisava pagar a mensalidade da faculdade. Aparentemente ele utilizou a quantia para comprar a passagem.A polícia francesa informou ainda que em 1998 ele conduziu um trem italiano com uma arma de brinquedo na mão, mas nenhuma acusação foi formalizada contra ele devido a sua doença mental. As autoridades não souberam dizer se ele foi preso ou indiciado após o seqüestro do avião em 1999. "É a mesma pessoa", comentou um policial. "Ele fez isso de novo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.