Natália Russo/AE
Natália Russo/AE

Ex-policial russo é condenado a 13 anos de prisão por espionagem para os EUA

Yevgueni Chístov foi declarado culpado de vender por três anos informações qualificadas como segredo de Estado à CIA

O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2015 | 13h09

MOSCOU - O Tribunal de Moscou condenou o ex-policial russo Yevgueni Chístov a 13 anos de prisão por espionagem em favor dos Estados Unidos, informou nesta quinta-feira, 12, o Serviço Federal de Segurança (antiga KGB) da Rússia.

Chistov, que trabalhava no Departamento do Ministério do Interior de Moscou, foi declarado culpado de vender por três anos informações qualificadas como segredo de Estado à CIA.

Segundo a FSB, durante a audiência do caso, Chistov se declarou culpado e “confirmou que havia sido recrutado pela CIA”. A investigação estabeleceu que em 2011 o ex-policial entrou em contato com a agência de inteligência por iniciativa própria.

A sentença de Chistov é a segunda relacionada à espionagem na Rússia em pouco mais de um mês. No dia 8 de outubro, um tribunal da cidade de Briansk, no oeste do país, condenou o cidadão russo Victor Shur, de 58 anos, a 12 anos de prisão por espionar para a Ucrânia. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiaespionageminvestigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.