Ex-premiê da Ucrânia acusa presidente de perseguição

A ex-primeira-ministra da Ucrânia, Yulia Tymoshenko, insistiu na própria inocência nesta quinta-feira, durante um emocionado discurso no tribunal, na audiência final do julgamento no qual é acusada de prejudicar os interesses do país quando assinou um acordo para comprar gás natural da Rússia em 2009. A ex-premiê afirma que seu julgamento é político e representa uma tentativa do presidente ucraniano Viktor Yanukovich de silenciar a oposição política no país do Leste Europeu.

AE, Agência Estado

29 Setembro 2011 | 16h27

Yulia acusou Yanukovich de "linchamento" político contra ela. "O presidente da Ucrânia me considera uma perigosa opositora política - e isso eu sou mesmo" , ela disse. "Eu devotarei a minha vida para garantir que a Ucrânia seja livre", afirmou no tribunal. Yulia se recusou a ficar em pé enquanto o juiz falava, em sinal de desafio. Ela poderá fazer novo discurso nos próximos dias, quando a sentença for lida.

A promotoria pediu uma sentença de 7 anos de prisão para Tymoshenko, que está com 50 anos. Ela é acusada de abuso de autoridade, ao ter assinado um acordo para a compra do gás russo. A promotoria acusa que o preço firmado no contrato é muito alto e que ela não estava autorizada a aprovar o acordo.

"Eu agi de uma maneira correta, legal e efetiva", disse a ex-premiê, defendendo o contrato para compra de gás natural da Rússia.

Os Estados Unidos e a União Europeia criticaram o julgamento como politicamente motivado e Bruxelas alertou o governo de Kiev que se Tymoshenko for presa, isso poderá custar a futura integração da Ucrânia ao bloco europeu. Tymoshenko já passou dois meses na cadeia. Ela é uma figura carismática mas divisora na política ucraniana. Ela foi uma das forças impulsoras da chamada "revolução Laranja" de 2004 na Ucrânia, quando o domínio político de Moscou no país foi abalado. Yanukovich, então candidato, foi acusado de fraude e as eleições de 2004 foram anuladas. Mas em 2010 Yanukovich derrotou a ex-premiê nas eleições.

O governo ucraniano afirma que não existe perseguição política contra a ex-premiê e que tudo não passa de uma grande investigação contra a corrupção no país. Além de Tymoshenko, outros ex-assessores dela são processados por corrupção.

Mais cedo nesta quinta-feira, o advogado de Tymoshenko, Mykola Siry, disse que as acusações não fazem sentido e que as pessoas que escreveram a peça de acusação parecem ser "mentalmente incapazes". Segundo ele, os promotores acusam que Tymoshenko firmou um contrato totalmente desfavorável para a Ucrânia e que ela fez isso para ganhar popularidade no país. "É ridículo fazer uma afirmação dessas e achar que alguém acreditaria nela", disse.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.