Sandro Pace/AP
Sandro Pace/AP

Ex-premiê italiano Giulio Andreotti morre aos 94 anos

No auge de sua carreira, o político democrata-cristão foi um dos homens mais poderosos da Itália

Agência Estado

06 de maio de 2013 | 09h49

ROMA - Giulio Andreotti, um símbolo da Itália do pós-guerra e primeiro-ministro do país sete vezes, morreu nesta segunda-feira, 6, em sua casa em Roma. Ele tinha 94 anos.

Ao anunciar sua morte, o prefeito de Roma, Gianni Alemanno disse que Andreotti foi "o mais representativo político" que a Itália já conheceu em sua história recente.

No auge de sua carreira, Andreotti foi um dos homens mais poderosos da Itália. Ele ajudou a escrever a Constituição do país após a Segunda Guerra Mundial, manteve assentos no Parlamento por 60 anos e serviu como primeiro-ministro sete vezes. Até sua morte, era senador vitalício.

Mas o democrata-cristão que foi amigo de papas e cardeais foi também uma figura controversa que sobreviveu a escândalos de corrupção e acusações de ligação com a máfia.

O ex-premiê era conhecido por sua perspicácia política, seu humor sutil e alusões espirituosas. Com seus olhos penetrantes, lábios finos e figura curvada, ele era facilmente reconhecido por várias gerações de italianos. Amigos e inimigos admiravam sua agilidade intelectual sua compreensão das questões.

A ascensão de Andreotti na cena política italiana ocorreu juntamente com a ascensão da Itália, que na época emergia de duas décadas de ditadura fascista sob Benito Mussolini. O ex-premiê entrou para o conservador Democrata Cristão, foi parte da Assembleia Constituinte que escreveu a carta magna do país e foi eleito para o Parlamento em 1948, de onde nunca mais saiu.

Ele ocupou uma série de cargos no gabinete após a guerra, até se tornar primeiro-ministro pela primeira vez em 1972. Vinte anos mais tarde, ele encerrava seu último mandato no cargo.

Embora fosse fervorosamente pró-Estados Unidos e um firme partidário da adesão da Itália à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Andreotti foi o primeiro democrata-cristão a aceitar o apoio dos comunistas, mesmo que indiretamente, em um dos seus governos.

No início da década de 1990, uma grande investigação contra a corrupção liderada por promotores - a chamada operação "mãos limpas" - varreu o Parlamento e expôs as ligações com a maioria dos partidos existentes. Os democratas-cristãos estavam entre eles, mas o escândalo não atingiu Andreotti pessoalmente e ele conseguiu permanecer como primeiro-ministro até a eleição de 1992.

Pouco depois, porém, uma acusação ainda mais séria foi feita contra Andreotti. Em 1993, um informante da máfia disse aos promotores que Andreotti estava envolvido no assassinado do jornalista Mino Pecorelli, em 1979.

A promotoria argumentou que a máfia havia matado Pecorelli por ordem de Andreotti. O longo caso, apelidado pelos italianos de "o julgamento do século" acabou com sua absolvição em 1999. Um tribunal de apelações o condenou a 24 anos de prisão em novembro de 2002, mas no terceiro e último julgamento, um ano mais tarde, ele foi novamente absolvido. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaGiulio Andreotti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.