Ex-premiê paquistanês volta e é exilado

Nawaz Sharif, que desafiava o presidente Musharraf, foi impedido de desembarcar e colocado num avião para Arábia Saudita

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2011 | 00h00

Islamabad - Ignorando uma ordem da Suprema Corte paquistanesa, o presidente Pervez Musharraf enviou ontem soldados para prender e exilar seu rival político, o ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, poucas horas após ele aterrissar no aeroporto de Islamabad. Acusado de corrupção e de lavagem de dinheiro, Sharif foi colocado em um avião com destino a Jeddah, na Arábia Saudita. Após um exílio de sete anos em Londres, o ex-premiê voltava ao país para desafiar Musharraf nas eleições presidenciais de outubro. Sharif deixou o Paquistão em 1999, após sofrer um golpe de Estado de Musharraf. Seu retorno foi autorizado no mês passado, quando a Suprema Corte invalidou o acordo que o obrigou a exilar-se. Pelo acordo, sua pena de prisão perpétua foi anulada e trocada por um exílio de dez anos. A expulsão de Sharif deve ser mais um golpe na popularidade do presidente, que vem sofrendo duras críticas por seus atos considerados ditatoriais. A deportação do ex-premiê pode também acabar minando a legitimidade das eleições. O governo paquistanês afirmou que Sharif optou por viajar para a Arábia Saudita "e completar seus dez anos de exílio", para evitar ser preso e julgado em Islamabad. Aliados de Sharif afirmaram que ele vai lutar contra a decisão de Musharraf. "Vamos levar o caso para Suprema Corte e também para a população", disse Siddiq Farooq, porta-voz do partido de Sharif. "Esperamos que a justiça prevaleça em detrimento desse ato ilegal e inconstitucional", disse o irmão do ex-premiê, Shahbaz Sharif.Para evitar que partidários de Sharif fossem recebê-lo, a polícia usou caminhões, tratores e arame farpado para bloquear a estrada que dá acesso ao aeroporto. Ainda assim, houve vários confrontos entre as forças de segurança e simpatizantes do ex-premiê. Mais de 200 pessoas foram presas e dezenas ficaram feridas. O novo exílio de Sharif pode abrir caminho para que Benazir Bhutto, também ex-premiê exilada em Londres, feche um acordo de divisão de poder com Musharraf e o apóie nas eleições. Ela deve retornar ao país no mês que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.