Ex-premiê paquistanesa anuncia volta do exílio

A ex-primeira-ministra do Paquistão, Benazir Bhutto, anunciou ontem que deixará o exílio em 18 de outubro, apesar do aparente fracasso das suas negociações com o atual presidente do país, Pervez Musharraf, para um acordo de divisão de poder que prepararia o terreno para as próximas eleições. O anúncio foi feito pouco mais de uma semana depois do também ex-premiê Nawaz Sharif ter sido enviado para a Arábia Saudita ao tentar retornar do exílio amparado por uma resolução do Tribunal Supremo paquistanês. "Dou ao povo paquistanês a boa notícia de que Benazir Bhutto chegará 18 de outubro em Karachi", disse em Islamabad Mahkdoom Amin Fahim, vice-presidente do Partido Popular do Paquistão (PPP), ao qual Benazir pertence.A ex-premiê negou que a data tivesse sido escolhida para oferecer a Musharraf caminho livre para a reeleição - uma vez que o prazo legal para a realização da eleição presidencial foi estabelecido entre hoje e 15 de outubro.Bhutto foi a chefe de governo do Paquistão em duas ocasiões, de 1988 a 1990 e de 1993 a 1996. Exilada em Londres desde 1999, ela pode ser indiciada pelas acusações de corrupção que ainda pesam contra ela quando chegar a Karachi. Segundo fontes oficiais, as negociações com Musharraf chegaram a um impasse porque a ex-premiê insistia em candidatar-se a um terceiro mandato, o que exigiria uma reforma constitucional. Benazir sustenta que Musharraf não pode ser presidente e chefe das Forças Armadas ao mesmo tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.