Ex-premiê rejeita pedido para adiar retorno ao Paquistão

Partido diz que Bhutto volta ao país no dia 18; presidente pediu que ela regressasse após resultado das eleições

Associated Press e Agência Estado,

11 de outubro de 2007 | 09h38

O partido da ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto rejeitou nesta quinta-feira, 11, um pedido do presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, para que ela retarde seu retorno do exílio. Bhutto, que partiu para um exílio em 1999 para fugir de acusações de corrupção, pretende retornar ao Paquistão no próximo dia 18. Seu partido assegurou que ela retornará ao país na próxima semana para participar das eleições gerais de janeiro. Depois de meses de negociações, o líder militar paquistanês decretou na semana passada uma anistia que beneficia Bhutto e diversos outros políticos acusados de corrupção. Porém, Musharraf pediu na quarta-feira que Bhutto adiasse seu retornou até que a Suprema Corte decida as contestações à sua candidatura à reeleição para presidente. Os debates na Suprema Corte deverão ser retomados um dia antes da data prevista para o retorno de Bhutto. Farhatullah Babar, porta-voz do partido de Bhutto assegurou que a ex-primeira-ministra manterá seu plano de voltar na próxima semana.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.