AP Photo/Sakchai Lalit
AP Photo/Sakchai Lalit

Ex-premiê tailandesa está exilada em Dubai, diz chefe da junta militar

Yingluck Shinawatra foi condenada à revelia a cinco anos de prisão por ‘negligência’ em um programa de subsídios aos produtores de arroz

O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 09h26

BANGCOC - A ex-primeira-ministra tailandesa Yingluck Shinawatra, condenada à revelia a cinco anos de prisão, está exilada em Dubai, anunciou nesta quinta-feira, 28, o chefe da junta militar que governa o país, que confirmou a emissão de uma nova ordem de detenção.

+ Ex-primeira-ministra da Tailândia foge do país para evitar a prisão

Yingluck, cujo governo foi derrubado em maio de 2014 pelos militares, não é vista desde o dia 25 de agosto, data em que deveria comparecer ao Tribunal Supremo para ouvir o veredicto do julgamento por "negligência" em um programa de subsídios aos produtores de arroz. Seus partidários e vários analistas consideram que este foi um julgamento político.

"Segundo as informações do Ministério das Relações Exteriores, ela agora está em Dubai", afirmou Prayut Chan-o-Cha à imprensa.

Várias fontes dentro do partido de Yingluck e da junta militar já haviam indicado que a ex-chefe de governo estava nos Emirados Árabes, onde vive seu irmão Thaksin Shinawatra, também ex-primeiro-ministro e igualmente exilado para escapar da Justiça.

Desde o fim de agosto, os militares negam quase diariamente que entraram em um acordo com Yingluck para organizar sua fuga e ter, assim, o caminho livre para mudar o panorama político conforme sua vontade. Mas a imprensa tailandesa e vários analistas insistem que a junta tem interesse no exílio da ex-chefe de governo.

"Não temos tratado de extradição com Dubai, mas as autoridades nos asseguraram que pediram que não se envolva mais na vida política tailandesa", declarou o ministro da Defesa, Prawit Wongsuwon.

Os militares, que chegaram ao poder após um golpe de Estado contra o governo de Yingluck Shinawatra, querem impedir o retorno da oposição, representada pelos irmãos Shinawatra. Eles venceram todas as eleições nacionais desde 2001, mas as elites tradicionais, militares e juízes, que os consideram uma ameaça à monarquia, derrubaram todos os governos com golpes de Estado. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.