Ex-presidente afegão escapa de emboscada do Taleban

Atentados matam ao menos 14 no sul do país; onda de ataques é registrada a uma semana das eleições

Reuters e Efe,

13 de agosto de 2009 | 09h50

O ex-presidente afegão Burhanuddin Rabbani sobreviveu nesta quinta-feira, 13, a uma emboscada do Taleban na província de Kunduz (norte), onde houve confrontos entre militantes e policiais pela segunda noite consecutiva, segundo autoridades. A violência sobressalta a região a uma semana de uma eleição presidencial que os militantes prometem perturbar. Os insurgentes habitualmente agem no sul e leste do Afeganistão, mas agora têm expandido seus ataques para o norte e oeste.

 

Rabbani, atualmente um parlamentar, apoia Abdullah Abdullah, principal adversário eleitoral do presidente Hamid Karzai, que disputa a reeleição no pleito do dia 20. O ex-presidente viajava por uma estrada no distrito de Ali Abad quando sofreu a emboscada com granadas de propulsão e tiros, segundo o chefe do distrito, Habibullah Mohtashim. Rabbani e seus acompanhantes escaparam ilesos, e três militantes morreram em confronto com guarda-costas e policiais, segundo Mohtashim.

 

Falando de um local não revelado, Zabihullah Mujahid, porta-voz do Taleban, disse que o grupo assumia a autoria do ataque. A violência no Afeganistão está em sua pior fase desde o início da atual guerra, há quase oito anos.

 

Atentados

 

Pelo menos 14 civis, entre eles mulheres e crianças, morreram na explosão de duas bombas postas pela insurgência taleban em diferentes pontos do sul do Afeganistão, informaram fontes oficiais. Na província de Helmand, 11 civis morreram quando uma mina explodiu na passagem do veículo em que estavam nesta quarta, no distrito de Gereshk, segundo o porta-voz do governador provincial, Daoud Ahmadi. Ahmadi responsabilizou os "inimigos do Afeganistão" pelo ataque, termo frequentemente utilizado pelas autoridades locais para se referir à insurgência do Taleban.

 

Na província vizinha de Kandahar, três crianças morreram também ontem quando uma bomba foi detonada por membros da insurgência perto do local onde brincavam, disse o policial Shah Faruqui.

 

Cerca de 400 marines americanos e 100 soldados afegãos iniciaram na véspera uma ofensiva contra a insurgência taleban na província de Helmand, com o objetivo de garantir a segurança antes das eleições presidenciais do próximo dia 20. O grupo, que tem seus principais redutos nas províncias de Helmand e Kandahar, ambas no sul, pediu aos cidadãos que boicotem as eleições e aumentou nas últimas semanas os ataques contra forças internacionais e afegãs.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.