AP Photo/Eric Gay
AP Photo/Eric Gay

Ex-presidente Bush é enterrado no Texas

O 41º presidente dos EUA foi enterrado na biblioteca presidencial com sua mulher, Bárbara, e uma filha que morreu aos 3 anos

O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2018 | 21h54

AUSTIN, EUA - Parentes e amigos mais próximos se despediram nesta quinta-feira do ex-presidente dos Estados Unidos, George W.H. Bush (1989-1993), em uma cerimônia privada na Igreja Episcopal St. Martin de Houston, no Texas. Bush-pai, como era conhecido, morreu aos 94 anos no sábado (dia 1.º).

Após a cerimônia, o corpo do ex-presidente foi levado até o jazigo em um trem cuja locomotiva foi batizada como "Bush4141", especificamente projetada para homenageá-lo. 

O percurso deste trem permitiu que centenas de texanos se despedissem também do ex-presidente até a cidade de College Station, a 160 quilômetros de Houston, onde foi enterrado na biblioteca presidencial com sua mulher, Barbara, e sua filha Robin, que morreu com 3 anos de leucemia.

A ex-primeira-dama morreu em abril; uma perda que, juntamente com o avanço da doença de Parkinson, piorou a saúde do ex-presidente nos últimos meses.

O secretário de Estado durante seu mandato, o republicano James Baker, elogiou seu antigo chefe como "um dos melhores presidentes", cuja motivação sempre foi "fazer o melhor" para todo o mundo.

"De uma forma nobre tentou conseguir o melhor para este país, sempre avaliava todas as opções possíveis e escolhia de forma sábia", destacou Baker, com voz entrecortada, na sua mensagem de despedida.

Por sua parte, o primogênito do clã Bush, o também ex-presidente George W. Bush (2001-2009), que na quarta-feira no funeral de Estado realizado em Washington definiu seu pai como um homem de "personalidade otimista", foi o primeiro a escoltar o caixão ao final da cerimônia.

O patriarca da família Bush, que foi piloto durante a 2ª Guerra, começou sua carreira política como congressista pelo Texas, depois foi embaixador na ONU, diretor da CIA e vice-presidente com Ronald Reagan entre 1981 e 1989.

Nas eleições presidenciais seguintes, chegou à Casa Branca de onde liderou o fim da Guerra Fria, a Guerra do Golfo (1990-1991) e a invasão do Panamá (1989). / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.