Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Ex-presidente da Câmara dos Deputados dos EUA chama Cruz de ‘Lúcifer em pessoa’

Em uma conversa com estudantes da Universidade de Stanford, John Boehner disse ter amigos democratas e republicanos, mas que nunca trabalhou ‘com um filho da p*** tão miserável’ quanto o pré-candidato republicano

O Estado de S. Paulo

29 Abril 2016 | 16h30

WASHINGTON - O ex-presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, John Boehner, atacou duramente o pré-candidato republicano Ted Cruz e o chamou de “Lúcifer em pessoa” em uma conversa com estudantes da Universidade de Stanford.

Boehner, que saiu do Congresso no final de outubro, repetiu muitos dos ataques usados em março ao convidar seu sucessor, Paul Ryan, para buscar a nomeação republicana. “Tenho amigos democratas e republicanos. Eu me dou bem com quase todo mundo, mas nunca trabalhei com um filho da p*** tão miserável na minha vida.”

Em um evento de perguntas e respostas realizado na quarta-feira, Boehner disse que o pré-candidato republicano Donald Trump era seu “amigo virtual”. Seus comentários foram publicados pelo jornal estudantil de Stanford.

Durante campanha em Fort Wayne, Indiana, Cruz respondeu aos ataques e afirmou que Boehner estava permitindo que seu “Trump interior” saísse. O senador tentou focar nas críticas no magnata.

“Em suas afirmações, John Boehner descreveu Donald Trump como seu amigo de golf e virtual”, disse Cruz. “Assim, se vocês quiserem alguém que seja amigo de golf e virtual, (...) se quiserem um presidente como John Boehner, então Donald Trump é o homem que procuram.”

Cruz uniu forças em 2013 com os conservadores do movimento Tea Party na Câmara para iniciar uma paralisação parcial do governo, que se estendeu 16 dias em torno das exigências para que o presidente Barack Obama retrocedesse em sua lei de saúde.

Obama não estava de acordo com a medida e alguns líderes republicanos como Boehner a viram como um esforço sem êxito que prejudicou somente o Partido Republicano.

Dois anos depois, os mesmos conservadores desafiaram Boehner, que decidiu renunciar ao invés de permitir uma eleição interna no partido.

Cruz disse à imprensa que nunca havia trabalhado com Boehner. “A verdade é que não conheço o homem”, explicou. “Vi John Boehner duas ou três vezes na minha vida. Se falei 50 palavras com ele seria uma surpresa. (...) De qualquer forma, nunca tive nenhuma conversa substancial com ele.” /Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.