Toussaint Kluiters/Efe
Toussaint Kluiters/Efe

Ex-presidente da Libéria Charles Taylor é condenado a 50 anos de prisão

Juízes consideraram 'tremendo sofrimento' das vítimas na hora de impor pena

30 de maio de 2012 | 08h42

O Tribunal Especial para Serra Leoa (TESL) condenou nesta quarta-feira, 30, a 50 anos de prisão o ex-presidente da Libéria Charles Taylor por crimes de guerra e lesa-humanidade cometidos durante a guerra civil que assolou Serra Leoa entre 1991 e 2002.

Veja também:

linkA hora de acertar contas com Taylor

linkTribunal condena Taylor por crimes em Serra Leoa

Os juízes consideraram especialmente o "tremendo sofrimento" das vítimas na hora de impor sua pena, e rejeitaram os fatores atenuantes, como idade, saúde e circunstâncias familiares de Taylor, propostos pela defesa.

A condenação, que pode ser apelada, é inferior aos 80 anos que pedia a promotoria porque o ex-presidente não participou diretamente na execução dos crimes, mas foi cúmplice dos mesmos dando apoio logístico e moral aos rebeldes de Serra Leoa.

Taylor, de 64 anos e que escutou a pena sem manifestar-se, é o primeiro ex-chefe de Estado sentenciado pela justiça internacional.

O juiz que presidiu o caso, Richard Lussick, esclareceu que os magistrados levaram em conta como fatores agravantes o papel de liderança de Taylor, que durante os anos que durou a guerra civil em Serra Leoa (1991-2002) era presidente do país vizinho, Libéria.

Taylor "usou sua posição única para alimentar os crimes em Serra Leoa em vez de usá-la para promover a paz", segundo Lussick, que destacou que Taylor "beneficiou-se do sofrimento das vítimas para enriquecer com diamantes".

A sentença usou o sofrimento das vítimas como um dos fatores mais importantes na hora de estabelecer a gravidade dos fatos, o que pesou acima de qualquer outra circunstância, como por exemplo sua boa conduta durante sua detenção.

"O impacto dos crimes em longo prazo é devastador para os que sobreviveram: os que tiveram membros amputados são incapazes de realizar tarefas básicas e as mulheres violentadas, assim como seus bebês caso tenham ficado grávidas, foram estigmatizadas por toda vida", assinalou.

A sentença ressaltou que os crimes, entre os quais se encontram assassinatos, mutilações e estupros públicos de mulheres, chamavam atenção por sua "brutalidade".

Os juízes constataram que o apoio de Taylor aos rebeldes em Serra Leoa "prolongou a duração do conflito, que teria acabado antes sem as armas e munição" que forneceu à guerrilha.

A Grã-Bretanha receberá o ex-presidente da Libéria em uma de suas prisões, apesar de ainda se desconhecer em que prisão concretamente.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.