Ex-presidente da Nicarágua condenado a 20 anos

O ex-presidente da Nicarágua, Arnoldo Alemán, suspeito de corrupção há anos, foi considarado culpado de desviar milhões de dólares do erário e condenado a 20 anos de cadeia. Alemán, um conservador que voltou do exílio após o fim do governo sandinista, também teve os direitos políticos cassados e foi multado em US$ 10 milhões.A decisão deverá enfraquecer o controle que Alemán exerce sobre o Partido Liberal Constitucionalista, o maior do país, onde o ex-presidente vinha conseguindo se manter em posição de liderança, a despeito das acusações de que teria desviado US$ 100 milhões dos cofres públicos para financiar campanhas políticas enquanto era presidente, de 1997 a 2002.A condenação é o ponto culminante da campanha do atual presidente, Enrique Bolanos, contra a corrupção. Bolanos foi eleito presidente com o apoio de Alemán.A juíza Juana Mendez citou crimes de fraude, apropriação indébita de recursos públicos, desfalque, formação de quadrilha e irregularidades eleitorais que ameaçaram o Estado ao proferir a sentença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.