Ex-presidente das Filipinas preso depõe pela primeira vez

O ex-presidente filipino Joseph Estrada, preso por corrupção desde que foi deposto em 2001 por uma revolta popular, depôs pela primeira vez em cinco anos, para se defender das acusações que poderiam até condená-lo à pena de morte. Estrada começou a prestar depoimento às 8h30 locais (21h30 de Brasília de terça-feira) na Corte Anticorrupção de Manila (Sandiganbayan), que desde terça-feira conta com a proteção de mil policiais para evitar que simpatizantes do ex-presidente provoquem incidentes. No dia anterior, Estrada, de 68 anos, anunciou que testemunharia em tagalo e não em inglês. O tagalo, base do filipino, é o segundo idioma oficial do país, utilizado nos procedimentos judiciais. Estrada é acusado, entre outras coisas, de obter benefícios milionários com esquemas ilegais de jogo e com comissões irregulares recebidas por meio dos impostos sobre a venda de tabaco no país. Seus advogados afirmam que Estrada é "vítima de perseguição política", e que seu comparecimento ao tribunal não significa que admita a legitimidade do Sandiganbayan. O ex-governante segue sem reconhecer a jurisdição da Corte desde que deixou a Presidência. Os protestos que levaram à cassação de Estrada foram os mesmos que conduziram à Presidência do país Gloria Macapagal Arroyo, depois que as Forças Armadas e os poderes do Estado se pronunciaram a favor da saída de Estrada e da efetivação da atual chefe de Estado. Especialistas acreditam que a sentença do julgamento de Estrada, um ex-ator de cinema que ganhou as eleições de 1998 com grande maioria, deva ser anunciada até o final do ano.

Agencia Estado,

22 Março 2006 | 02h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.