Ex-presidente de Israel é indiciado por estupro

O ex-presidente israelense, Moshe Katsav, foi indiciado hoje por estupro e outros crimes sexuais. Katsav negou-se a aceitar um acordo inicial que o livraria da cadeia, em caso de condenação. O ex-líder, de 63 anos, foi denunciado por supostamente estuprar uma mulher que havia trabalhado para ele, além de outras duas acusações sexuais menos graves envolvendo duas outras ex-funcionárias. Katsav afirma ser inocente. A acusação foi feita em uma corte do distrito de Tel-Aviv, quase três anos após o caso vir à tona. Não foi marcada uma data para o julgamento.

AE-AP, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 13h06

O promotor-geral Meni Mazuz notificou o ex-presidente duas semanas atrás sobre a acusação. Dias depois, Katsav falou durante duas horas em um discurso televisionado, no qual negou todas as acusações, atacou as pessoas que o acusam e mostrou um CD que supostamente provaria sua inocência. Katsav afirma que a mídia o persegue, porque ele representa os judeus de origem do Oriente Médio. A mulher que o acusa trabalhou para ele quando Katsav era ministro do Turismo na década de 1990.

Katsav tornou-se presidente em 2000. Segundo o processo, cometeu ofensas sexuais contra mais duas mulheres neste posto. Ele deixou a função duas semanas antes de completar sete anos no posto, em 2007. A presidência em Israel é em grande parte um cargo cerimonial. Katsav foi substituído pelo prêmio Nobel da paz Shimon Peres.

Tudo o que sabemos sobre:
Israelex-presidenteacusaçãoestupro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.