Ex-presidente dos EUA vai visitar a Coreia do Norte

Um grupo de ex-governantes liderados pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, disse hoje que discutirá a falta de alimentos, a questão dos direitos humanos e a desnuclearização da Coreia do Norte quando se reunir com líderes do país nesta semana.

AE, Agência Estado

25 de abril de 2011 | 12h56

A delegação dos "Anciãos", grupo de líderes mundiais aposentados, vai visitar Pyongyang amanhã, numa tentativa de buscar formas para aliviar as tensões sobre o programa nuclear norte-coreano, informou o grupo em coletiva de imprensa em Pequim, na China. O grupo de quatro integrantes liderados por Carter inclui o ex-presidente finlandês Martti Ahtisaari, o ex-primeiro-ministro norueguês Harlem Brundtland e a ex-presidente irlandesa Mary Robinson.

Além de discutir formas de avançar as negociações multinacionais sobre a desnuclearização da Coreia do Norte, Carter disse que vai procurar meios para aliviar as sanções contra Pyongyang, que tornaram mais séria a crise alimentar no país. "Trata-se de uma situação horrível e esperamos induzir outros países a ajudar a aliviar (a crise alimentar), incluindo a Coreia do Sul, que cortou o fornecimento de todos os alimentos para os norte-coreanos", disse Carter aos jornalistas. "Quando há sanções contra todo um povo, o povo sofre a pior parte e os líderes sofrem pouco".

Robinson disse que um terço das crianças norte-coreanas sofreram retardamento de crescimento por causa de falta de comida e que 3,5 milhões de pessoas estão vulneráveis à crescente crise alimentar, que cortou pela metade a ingestão calórica diária por pessoa neste ano, para cerca de 700 calorias. "É importante, muito importante, assegurar que mulheres, crianças e idosos não sofram por causa da situação política", disse. "Vamos enfatizar muito isso. Nós realmente sentimos que questões ligadas aos direitos humanos e à crise humanitária também são muito importantes".

As agências de alimentos da Organização das Nações Unidas (ONU), que visitaram recentemente a Coreia do Norte, disseram que mais de seis milhões de pessoas - um quarto a população - têm necessidades urgentes de alimentos.

Carter disse que a delegação espera se reunir com o líder norte-coreano Kim Jong Il, mas até agora o encontro não foi anunciado. A viagem foi um convite da Coreia do Norte. A delegação vai se reunir com o ministro de Relações Exteriores da China, Yang Jiechi, e com outros especialistas chineses sobre a Coreia do Norte ainda hoje. O grupo, que vai publicar um relatório sobre a visita, vai para Seul, na Coreia do Sul, na quinta-feira.

As conversações sobre desarmamento entre as duas Coreias, China, Estados Unidos, Japão e Rússia estão paralisadas desde que Pyongyang deixou a mesa de negociações em abril de 2008 e realizou seu segundo teste nuclear um mês mais tarde. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.