EFE/José Jácome
EFE/José Jácome

Ex-presidente equatoriano Rafael Correa se desfiliará de partido

De acordo com a deputada Gabriela Rivadeneira, líder romperá com a Aliança País - fundada por ele em 2006, mas atualmente sob controle do presidente Lenín Moreno - em razão de divergências irreconciliáveis e criará novo movimento político

O Estado de S.Paulo

16 Janeiro 2018 | 15h16

QUITO - O ex-presidente do Equador Rafael Correa e políticos ligados a ele vão se desfiliar do movimento Aliança País (AP), confirmando a ruptura total com o oficialismo diante das divergências irreconciliáveis com o presidente e ex-aliado Lenín Moreno, informou uma deputada nesta terça-feira, 16.

Ex-aliados abrem guerra no Equador

"O presidente Rafael Correa apresentará sua desfiliação nesta terça-feira", disse a deputada correista Gabriela Rivadeneira.

A decisão acontece depois do Tribunal Eleitoral ratificar que o controle do partido - fundado pelo ex-presidente - corresponde à ala morenista e abre a porta para a criação de outro movimento político.

Gabriela detalhou que Correa apresentará sua desfiliação no povoado costeiro de Babahoyo, no sul do país, no Conselho Eleitoral local. O ex-presidente está no país para liderar campanha pelo "não" no referendo convocado por Moreno para suprimir a reeleição indefinida - a votação está marcada para o dia 4.

Condenado por caso Odebrecht, vice do Equador perderá cargo por ausência

"A direção nacional e os que fazem parte das fileiras (correista do partido) farão um pronunciamento" para confirmar a desfiliação com o objetivo de criar outro partido para o qual os apoiadores do ex-presidente esperam se transferir junto à autoridade eleitoral. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Lenín Moreno Rafael Correa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.