Ex-presidente filipino pega prisão perpétua por corrupção

Líder deposto em 2001 é condenado por desviar cerca de US$ 80 mi e cumprirá pena em prisão domiciliar

MANNY MOGATO, REUTERS

12 de setembro de 2007 | 10h18

O ex-presidente filipino Joseph Estrada foi sentenciado na quarta-feira a prisão perpétua, depois de ser condenado pelo desvio de verbas públicas equivalentes a 85 milhões de dólares.Os temores de que uma condenação provocaria protestos e distúrbios nas ruas se mostraram infundados. Ativistas pró-Estrada fizeram apenas manifestações discretas, pacíficas e esparsas em Manila, uma cidade de 12 milhões de habitantes.Estrada, 70 anos, ex-astro de filmes de ação, derrubado do poder por um golpe civil-militar em 2001, ouviu o julgamento sem se manifestar, mas depois demonstrou bom humor."Achei que o papel da Justiça fosse prevalecer aqui, mas foi realmente uma corte-canguru [...], uma decisão política", disse o ex-presidente, usando a típica camisa estampada filipina e uma faixa no pulso, sua marca registrada.Estrada também ficou proibido de ocupar cargos públicos, mas não foi imediatamente detido -- pôde voltar à sua mansão, na zona leste da capital, onde ficará sob prisão domiciliar até segunda ordem. Cabe recurso ao veredicto, que passa automaticamente à revisão da Corte Suprema.Em frente ao tribunal, cerca de 300 simpatizantes agitavam cartazes e faziam discursos contra o governo, mas sem violência. A multidão era bem inferior às milhares de pessoas previstas, e a tropa de choque presente pôde ficar à vontade para lanchar, conversar e até sentar no chão, deixando seus escudos de lado."Temos pena dele, mas o que podemos fazer?", perguntava uma manifestante.Analistas e grupos da oposição disseram que a demonstração de força da polícia foi um exagero de um governo temeroso de que se repitam os incidentes 2001, quando multidões favoráveis a Estradas tentaram invadir o palácio presidencial.Os investidores ficaram aliviados, mas sem euforia, com o fato de o julgamento terminar sem violência nas ruas."Tiraram um espinho das nossas costas", disse Astro del Castillo, diretor da Associação de Analistas Financeiros das Filipinas, acrescentando que a tendência agora é que os operadores aproveitem os preços favoráveis no mercado.O peso filipino, que na terça-feira fechara a 47,12 por dólar, se valorizou para 46,70 por dólar. Nesta semana, incertezas sobre o julgamento haviam levado a uma desvalorização de mais de 1% na moeda nacional. A Bolsa de Manila fechou em alta de 1,21%.

Tudo o que sabemos sobre:
FILIPINASESTRADAPRISAO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.