Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

Ex-presidente francês Valéry Giscard d'Estaing morre aos 94 anos

A família do ex-presidente informou que ele morreu em sua casa em Loir Loir-et-Cher por complicações da covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2020 | 19h38
Atualizado 03 de dezembro de 2020 | 00h24

PARIS - O ex-presidente francês Valéry Giscard d'Estaing, que governou o país entre 1974 e 1981, morreu nesta quarta-feira, 2, aos 94 anos, segundo confirmou o Palácio do Eliseu. A família do ex-presidente informou que ele morreu em sua casa em Loir Loir-et-Cher por complicações da covid-19. "Seu estado de saúde havia piorado e ele morreu em consequência da covid 19", afirma o comunicado. Giscard foi um dos arquitetos da integração europeia no início dos anos 70.

Segundo a agência de notícias France Presse, o ex-presidente esteva internado recentemente em Tours. Um pouco antes, o jornal português Público havia dito que ele sofrera uma insuficiência cardíaca. A família  informou em comunicado que, a pedido do ex-presidente, o funeral será realizado com a "mais restrita privacidade".  

Desde o início do confinamento, Giscard vivia em sua residência de campo. Mas nos últimos meses precisou ser internado em várias ocasiões por problemas cardíacos. Entre 15 e 20 de novembro, ficou internado no serviço de cardiologia do hospital de Tours. 

 

Antes, já havia sido hospitalizado por alguns dias em meados de setembro no hospital Georges-Pompidou em Paris devido a uma infecção pulmonar leve. Os médicos, na ocasião, descartaram a possibilidade de que se tratasse de uma infecção por coronavírus.

O ex-presidente, que comemorou seu 94º aniversário em 2 de fevereiro, fez uma de suas últimas aparições públicas em 30 de setembro de 2019 no funeral, em Paris, de outro presidente, Jacques Chirac, que foi seu primeiro-ministro de 1974 a 1976.

Reformas radicais

Eleito presidente aos 48 anos, o líder centrista, conhecido pela maioria dos franceses simplesmente como Giscard ou VGE, empreendeu rapidamente uma série de reformas radicais: legalizou o aborto, liberalizou o divórcio e reduziu a 18 anos a idade para votar. 

Quando eleito, em 1974, para um mandato de sete anos, Giscard d'Estaing foi o presidente mais jovem do país e trouxe consigo um estilo inédito para a época, mais descontraído do que o de seus antecessores, Charles de Gaulle e Georges Pompidou.  

Era visto em público jogando futebol ou tocando acordeão; também recebia os funcionários da coleta de lixo para tomar café-da-manhã e convidava para jantar em casa pessoas comuns. 

Era adepto do liberalismo econômico, um pró-europeu convicto e defensor de uma integração maior. Foi por iniciativa dele que os líderes dos países mais ricos do mundo se reuniram pela primeira vez em 1975, em um evento embrionário da cúpula do G-7. 

Elite francesa

Nascido em uma família abastada em 2 de fevereiro de 1926, Valery Giscard d'Estaing fazia parte da elite francesa. Alto e esbelto, com um estilo elegante e aristocrático, estudou nas prestigiosas Escola Politécnica da França e na Escola Nacional de Administração. 

Como soldado, participou da libertação de Paris durante a 2ª Guerra, que pôs fim à ocupação nazista, em 1944, e depois serviu durante oito meses na Alemanha e na Áustria, no período prévio à capitulação do Terceiro Reich

Entrou para a política em 1959 e em 1969 assumiu o comando do Ministério das Finanças. Em 1966, fundou o Partido Republicano Independente, que com o tempo se tornou a União para a Democracia Francesa (UDF), uma formação de partidos de centro-direita. 

Tornou-se o líder da centro-direita no período prévio à sua eleição, em 1974. 

Durante seus sete anos no poder, Giscard lançou projetos de modernização de infraestrutura de grande alcance, como o trem de alta velocidade TGV, e comprometeu a França com a energia nuclear. 

Também forjou uma poderosa aliança franco-alemã com o chanceler social-democrata Helmut Schmidt, com quem encabeçou a União Econômica e Monetária Europeia que estabeleceu as bases para a moeda única do euro

O escândalo do diamante

Mas seu mandato também foi atingido pela crise do petróleo da década de 70, o aumento do desemprego e da inflação. 

Sua reputação foi abalada por afirmações, em 1979, de que teria recebido diamantes pessoalmente, quando era ministro das Finanças, do ditador da República Centro-africana Jean-Bedel Bokassa

Apesar de tê-lo desmentido, o escândalo ofuscou sua candidatura a um segundo mandato, que perdeu para o socialista François Mitterrand em 1981 por mais de um milhão de votos. 

Foi um golpe para Giscard, que escreveu em 2006: "O que eu sinto não é uma humilhação, mas algo mais grave: frustração com um trabalho inacabado". No entanto, permaneceu ativo na política e se elegeu para o Parlamento francês. 

Também foi deputado europeu (1989-1993) e em 2001 foi selecionado pelos líderes europeus para dirigir os trabalhos sobre o tratado constitucional do bloco, que foi rejeitado por 55% dos eleitores franceses. 

Em 2004, após perder o assento no Legislativo, pôs fim à sua carreira política. 

Ao se aposentar, desenvolveu grande inclinação por escrever romances picantes, entre eles A princesa e o presidente, no qual imagina um idílio com a princesa Diana. 

Em 2003, tornou-se o primeiro ex-chefe de Estado nomeado para a Academia Francesa, reservada à elite literária do país. 

Foi alvo, em maio passado, de uma investigação por suposta agressão sexual, depois que uma jornalista alemã se queixou de que ele a teria tocado nas nádegas durante uma entrevista. O ex-presidente devia depor aos investigadores nas próximas semanas. 

Reações

"Valéry Giscard d'Estaing trabalhou toda a sua vida para estreitar os laços entre as nações europeias, quis e conseguiu modernizar a vida política e dedicou sua grande inteligência à análise das problemáticas internacionais mais complexas", disse o ex-presidente Nicolas Sarkozy, homenageando-o nas redes sociais.

A França "perde um estadista que optou por se abrir para o mundo", lamentou outro ex-presidente, o socialista François Hollande/ EFE, Reuters e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.