Ex-presidente peruano é processado por corrupção

Uma juíza peruana abriu um processo penal contra o ex-presidente Alejandro Toledo por participação em um esquema de falsificação de assinaturas e documentos durante sua campanha presidencial, em 2000. A juíza anticorrupção Carolina Lizarraga acusou Toledo de participar da falsificação sistemática de assinaturas para que seu partido, o Peru Possível, conseguisse o número suficiente de assinaturas para se registrar nas eleições de 2000. Toledo se elegeu presidente do Peru um ano depois, quando seu antecessor, Alberto Fujimori, fugiu para o Japão em meio a um escândalo de corrupção.O ex-presidente peruano, que enfrenta outras acusações de fraude e corrupção, negou envolvimento no caso e disse ser vítima de perseguição política. A pena para esse crime é de até dez anos de prisão.A juíza ordenou o congelamento de bens de Toledo nos Estados Unidos no valor de aproximadamente US$ 45 mil e exigiu fiança de cerca de US$ 15 mil.EscândalosToledo está atualmente nos Estados Unidos, mas será proibido de deixar o Peru quando retornar.A irmã do ex-presidente, Margarita Toledo, e outras 34 pessoas também foram processadas por envolvimento no caso.Segundo Dan Collins, correspondente da BBC em Lima, os cinco anos de governo de Toledo foram marcados por escândalos envolvendo o presidente, sua mulher, assistentes e outros membros da família.Quando ele deixou o poder, em julho deste ano, o novo governo iniciou uma investigação sobre seu suposto envolvimento em tráfico de influência, nepotismo e apropriação indébita de fundos.O advogado de Toledo, Víctor Pérez Liendo, disse que seu cliente entrou com pedido de habeas corpus para declarar nulo o processo penal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.