Ex-presidente Pervez Musharraf volta ao Paquistão para eleições

O ex-presidente do Paquistão Pervez Musharraf voltou para seu país neste domingo, após quase quatro anos de autoexílio, para disputar eleições, apesar da possibilidade de ser preso e das ameaças de morte feitas pelo Taliban.

Reuters

24 de março de 2013 | 15h22

Musharraf espera recuperar influência para que seu partido possa ganhar assentos na eleição geral marcada para 11 de maio, quando enfrentará uma feroz concorrência, inclusive do homem que ele derrubou em um golpe militar.

"As pessoas disseram que eu não viria. Onde estão essas pessoas agora? As pessoas estavam tentando me assustar. Só temo a Deus, mais ninguém", disse Musharraf no aeroporto de Karachi, onde foi recebido por mais de 1.000 pessoas.

O ex-general do Exército, que tomou o poder em um golpe em 1999, renunciou em 2008 quando seus aliados perderam uma votação e um novo governo o ameaçou com impeachment. Ele deixou o país do sul asiático um ano depois.

Musharraf ficou longe dos numerosos problemas do Paquistão durante o seu exílio em Londres e Dubai, onde viveu em uma parte chique do emirado árabe do Golfo.

"Para onde foi o Paquistão que deixei cinco anos atrás? Meu coração chora lágrimas de sangue ao ver o estado do país hoje", disse Musharraf. "Eu voltei para vocês. Quero restaurar o Paquistão que eu deixei."

Musharraf não deixou claro como fará isso.

O ex-presidente pode ter problemas legais em breve. Ele enfrenta acusações de não fornecer segurança adequada à ex-primeira-ministra Benazir Bhutto antes de seu assassinato em 2007.

Ele também enfrenta acusações em conexão com a morte de um líder separatista na província de Baluchistão, no sudoeste do país. Musharraf nega qualquer irregularidade.

Musharraf recebeu o direito a fiança antecipada para evitar ser preso em seu retorno ao país, mas poderá ser detido em data posterior.

(Reportagem de Akhtar Soomro)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOMUSHARRAFVOLTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.