REUTERS/Mike Hutchings
REUTERS/Mike Hutchings

Ex-presidente sul-africano Jacob Zuma será julgado por corrupção

Acusação se refere a um caso de contrato de armamentos de US$ 2,5 bilhões com industriais estrangeiros nos anos 1990

O Estado de S.Paulo

16 Março 2018 | 11h04
Atualizado 16 Março 2018 | 11h29

PRETÓRIA - O ex-presidente da África do Sul Jacob Zuma será julgado por corrupção no caso de um contrato de armamentos de US$ 2,5 bilhões com industriais estrangeiros, firmado no fim dos anos 1990, anunciou nesta sexta-feira, 16, a Procuradoria local.

+ The Economist: Os erros da política agrária da África do Sul

+ Plano sul-africano de reforma agrária sem indenização eleva tensão racial

“Há motivos razoáveis para pensar que as ações judiciais contra Zuma darão resultado”, declarou o procurador-geral, Shaun Abrahams, em uma entrevista coletiva em Pretória. O ex-presidente será julgado por fraude e corrupção.

+ The Economist: O desastroso legado de Zuma

"Um tribunal deveria ser" o lugar "mais apropriado para esclarecer" o caso, afirmou Abrahams, que insistiu que todos devem ser "iguais perante a lei".

A Justiça suspeita que Zuma, de 75 anos, cobrou subornos por um contrato de armamentos firmado em 1999 com várias empresas estrangeiras, entre elas a francesa Thalès, quando era ex-presidente.

Em meados de fevereiro, Zuma apresentou sua renúncia “com efeito imediato” em meio à pressão de seu partido, o Congresso Nacional Africano (CNA), para que entregasse o poder em razão dos escândalos de desvio de fundos públicos. / AFP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.