Ex-presidente Vázquez representará esquerda em eleição uruguaia

Se vencer, a coalizão Frente Ampla obterá seu terceiro governo seguido, sendo o único partido a conseguir isso após a ditadura

O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2014 | 16h25

MONTEVIDÉU - O ex-presidente do Uruguai Tabaré Vázquez foi escolhido como candidato único pela coalizão Frente Ampla para disputar, em outubro, a Presidência do país. Caso vitorioso, Vázquez levará a esquerda ao governo pelo terceiro período consecutivo.

Os resultados oficiais preliminares das eleições internas dos partidos, realizadas no domingo 1, mostraram que Vázquez, antecessor do presidente José Mujica, venceu por ampla diferença sua única concorrente, a senadora Constanza Moreira.

O Tribunal Eleitoral informou na madrugada desta segunda-feira, 2, que Vázquez obteve 82% dos votos da Frente Ampla. Foram conferidas 31,1% das cédulas. Constanza conseguiu 17,7%. Os resultados confirmaram as pesquisas de boca-de-urna informadas mais cedo por consultorias de pesquisa de opinião.

Vázquez comprometeu-se, em um discurso no domingo, a reduzir a carga tributária, lutar contra a inflação e aumentar os planos sociais e educacionais. Caso vença a eleição presidencial, a Frente Ampla obteria seu terceiro governo seguido, tornando-se o único partido político a conseguir isso após a ditadura que regeu o país de 1973 a 1985.

Médico, Vázquez foi o primeiro presidente uruguaio de esquerda, entre 2005 e 2010, e, segundo pesquisas recentes, teria muitas chances de ser o sucessor de Mujica para o período de 2015 a 2020. A última pesquisa da Equipos Consultores revelou que a Frente Ampla conta com apoio de 44% da população, enquanto o tradicional Partido Nacional tem 26%, e o Partido Colorado, 16%.

Pedro Bordaberry foi eleito candidato único do Partido Colorado, com 68,4%. Ele é filho do ex-ditador Juan María Bordaberry. A disputa interna do Partido Nacional foi mais acirrada. O deputado Luis Lacalle Pou, filho do ex-presidente Luis Alberto Lacalle, obteve 57%. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.