Ex-preso de Guantánamo ganha ação contra jornal de Rupert Murdoch

Jornal disse que Mamdouh Habib mentiu ao relatar torturas praticadas por militares australianos e americanos

Efe

16 de março de 2010 | 02h27

O cidadão australiano Mamdouh Habib, que ficou três anos preso na base militar dos EUA em Guantánamo, ganhou nesta terça-feira, 16, uma ação de difamação contra o jornal australiano The Daily Telegraph.

 

O jornal publicou que Habib mentiu ao afirmar que, após ser preso no Paquistão em outubro de 2001, foi algemado, desnudado, drogado e teve suas unhas arrancadas por militares australianos e norte-americanos, entre outros abusos.

 

A sentença desta terça-feira anula decisão de um ano atrás e permite a Habib exigir uma compensação ao Daily Telegraph, que pertence ao império midiático de Rupert Murdoch, grande defensor do apoio da Austrália à guerra do Iraque.

 

Após sua detenção no Paquistão, Habib foi levado ao Egito e acabou na prisão norte-americana em Guantánamo, na ilha de Cuba. Ele foi libertado em 2005 e voltou à Austrália, onde denunciou as supostas torturas que desmentiram o diário.

 

Após a libertação de Habib, um ex-agente dos serviços de inteligência australiano anunciou que tinha provas de tortura de presos no Iraque e que havia comunicado o Ministério da Defesa, à época sob comando do ex-primeiro ministro John Howard, um dos maiores aliados do ex-presidente norte-americano George W. Bush.

 

O ex-preso de Guantánamo, que assegura que nas sessões de tortura estava presente um oficial australiano identificado como Alastair Adams, dedicou os últimos cinco anos a lutar em busca de justiça.

 

Ele moveu doze processos, vários por difamação contra meios de comunicação, e conta com uma equipe de doze advogados, pagos com ajuda de sua comunidade.

 

Em 2005, a Anistia Internacional, por meio de sua diretora de direitos humanos, Jumana Musa, exigiu das autoridades australianas que esclarecessem as alegações de tortura realizadas por Habib, mas a organização disse que nunca obteve uma resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.