REUTERS/Andres Stapf
REUTERS/Andres Stapf

Ex-preso de Guantánamo volta ao Uruguai

Caracas enviaria na tarde deste domingo, 28, a Montevidéu o sírio Jihad Ahmad Diyab, que apareceu na capital venezuelana em julho

O Estado de S. Paulo

28 Agosto 2016 | 21h04

MONTEVIDÉU - O sírio Jihad Ahmad Diyab, ex-prisioneiro de Guantánamo, que estava detido na Venezuela seria enviado ontem de volta ao Uruguai, afirmou o mediador que articulou o diálogo entre o governo uruguaio e o ex-preso.

“Ele chegará nas próximas horas, mas de forma privada, para preservar sua estabilidade. Consideramos que esteve muito exposto”, disse na tarde de ontem o mediador Christian Mirza.

No sábado, o ativista americano Andrés Conteris disse que “três fontes independentes entre si” confirmavam que Diyab tinha iniciado uma greve de fome “depois de ficar sabendo que as chancelarias de Venezuela e Uruguai negociavam sua deportação a Montevidéu”.

Mirza, no entanto, disse não ter informações de que Diyab estava em greve de fome. Segundo o mediador, as informações das quais dispunha indicavam que o sírio estava em bom estado de saúde. Diyab passará por exames médicos no Uruguai.

O ex-detento de Guantánamo apareceu na Venezuela em julho depois de abandonar o Uruguai, onde chegou em 2014 como refugiado junto de outros cinco ex-presos do complexo americano em território cubano. Diyab esperava receber um convite da Turquia ou de um terceiro país para poder se reunir com sua família.

“Depois que ele chegar, conversaremos para ver se é isso mesmo que ele quer fazer e será analisado pela chancelaria e pela Cruz Vermelha os passos que devem ser seguidos”, completou Mirza. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.