AFP PHOTO / Mohd Rasfan
AFP PHOTO / Mohd Rasfan

Ex-primeiro-ministro da Malásia é acusado de lavagem de dinheiro

Najib Razak enfrenta três novas acusações baseadas nas investigações sobre os desvios milionários envolvendo o fundo estatal que presidiu até 2016; ele se declarou inocente

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2018 | 03h31

KUALA LUMPUR - O ex-primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, foi alvo de três novas acusações de lavagem de dinheiro relacionadas ao caso dos desvios milionários do fundo estatal 1 Malaysia Development Berhad (1MDB). Nesta terça-feira, 8, ele se declarou inocente perante a Justiça.

Em audiência na Alta Corte do país, Najib afirmou que é vítima de perseguição política conduzida pelo atual primeiro-ministro Mahathir Mohamad, que o derrotou na eleições gerais deste ano. Ele também prometeu que irá provar sua inocência no caso.

No mês passado, o ex-primeiro-ministro também se declarou inocente de uma acusação de abuso de poder relacionada aos desvios do 1MDB. Todas as acusações contra Najib envolvem a transferência de 42 milhões de ringgit malaios (cerca de US$ 10,3 milhões) de uma conta da SRC International, uma antiga unidade do 1MDB, para sua conta pessoal. Investigadores dizem que o fundo foi "saqueado" pelo ex-premiê e seus assessores.

Najib pode enfrentar penas de 20 anos de prisão para cada acusação de abuso de poder e mais 15 anos para cada acusação de lavagem de dinheiro, segundo o código penal malaio, que também prevê o pagamento de multa estimada em cinco vezes do montante desviado.

O 1MDB foi criado pelo ex-primeiro-ministro em 2009 e presidido por ele até 2016. O fundo buscava atrair investimentos estrangeiros, mas acumulou bilhões em dívidas e passou a ser alvo de investigações de vários países, incluindo os Estados Unidos, por suspeita de peculato internacional e lavagem de dinheiro.

A revelação do caso prejudicou a campanha eleitoral de Majib, que perdeu o pleito deste ano e encerrou os seis anos de governo de sua coalização. O novo governo, sob liderança de Mahathir Mohamad, reabriu as investigações e proibiu o ex-primeiro-ministro e sua esposa de deixarem o país. A polícia também apreendeu joias e objetos de valor estimados em mais de 1 bilhão de ringgits malaios durante buscas nas residências de Najib. //ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
Malásia [Ásia] Najib Razak

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.