Ex-primeiro ministro espanhol pode ser processado no México

O México informou nesta quarta-feira que está investigando se o ex-primeiro-ministro espanhol, José María Aznar, violou as leis eleitorais mexicanas ao manifestar em público sua esperança de que o candidato governista Felipe Calderón vença as eleições presidenciais de 2 de julho.Na última terça-feira, durante discurso na sede do Partido da Ação Nacional (PAN), do presidente Vicente Fox, Aznar elogiou o desempenho de Calderón, um ex-secretário de energia, e manifestou o desejo de que ele seja o próximo chefe de Estado do México."Estou aqui para dizer que espero e desejo que Felipe Calderón seja o novo presidente do México, para o bem de todos os mexicanos e do país", declarou o ex-primeiro-ministro.Durante seu encontro diário com jornalistas, o porta-voz de Fox, Ruben Aguilar, destacou que estrangeiros não podem se manifestar em público sobre política dentro do México.De acordo com ele, o Departamento de Interior investigará as declarações de Aznar, que corre o risco de ser convocado pela justiça local para prestar esclarecimentos. A Constituição mexicana prevê a deportação de quem viola seu artigo 33, que rege o tema. Os responsáveis pela campanha de Calderón não se pronunciaram sobre o assunto.Defensor da invasão do Iraque por forças estrangeiras lideradas pelos Estados Unidos, Aznar foi derrotado nas urnas pelo Partido Socialista Operário Espanhol três dias depois dos atentados de 11 de março de 2004 contra Madri, nos quais morreram 191 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.