AP
AP

Ex-primeiro-ministro israelense é condenado a seis anos de prisão

Ehud Olmert também terá de pagar cerca de US$ 300 mil dólares por ter recebido suborno

O Estado de S. Paulo,

13 Maio 2014 | 09h41

JERUSALÉM - O ex-primeiro-ministro de Israel Ehud Olmert foi condenado a seis anos de prisão nesta terça-feira, 13, por aceitar subornos em um negócio imobiliário, um crime considerado pelo juiz como equivalente a traição. Ele também foi multado em 1 milhão de shekels (US$ 289.500 ).

Ele negou qualquer ilegalidade no negócio imobiliário, aprovado quando era prefeito de Jerusalém e levou à construção das torres de apartamento Holyland, uma grande edificação de pedra tida com uma das mais feias da cidade. “Um servidor público que aceita suborno é semelhante a um traidor”, disse o juiz David Rozen na Corte Distrital de Tel-Aviv.

A primeira condenação criminal de um ex-chefe de governo israelense, entretanto, não encerrou a especulação de que Olmert - um político de centro internacionalmente reconhecido por trabalhar para a paz com os palestinos - possa retornar à vida política.

Rozen considerou Olmert culpado em 31 de março de duas acusações de suborno, afirmando que o ex-primeiro-ministro havia aceitado 500 mil shekels (144 mil dólares) de incorporadores imobiliários do projeto Holyland e 60 mil shekels em um outro negócio.

Olmert, disse o juiz, devotou a maior parte de seu tempo a um serviço público “digno de elogio” - mas “também encheu os próprios bolsos”.

Olmert terá que se apresentar para prisão em 1º de setembro, efetivamente dando a seus advogados tempo para levar o caso a uma corte superior e a encaminhar um pedido de que ele permaneça livre até que essa corte julgue o caso. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
IsraelEhud Olmert

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.