Oliver Weiken/ Reuters
Oliver Weiken/ Reuters

Ex-primeiro-ministro israelense é condenado por corrupção

Sentença ainda deve ser definida; condenação impede volta de Olmert à cena política

O Estado de S. Paulo,

31 de março de 2014 | 08h53

 JERUSALÉM - Um tribunal israelense condenou nesta segunda-feira, 31, o ex-primeiro-ministro Ehud Olmert por corrupção, em uma decisão que pode mandá-lo para a cadeia e arruinar suas pretensões de retornar à vida política do país. Olmert, sucessor do ex-premiê Ariel Sharon que buscou um acordo de paz com os palestinos, deixou o cargo em 2009 em meio a denúncias de corrupção.

A condenação implica Olmert em um escândalo relacionado ao setor imobiliário quando ele ainda era prefeito de Jerusalém. No total, 13 membros da administração, empreiteiros e empresários foram condenados no caso, tido como um dos maiores de Israel.

A sentença deve ser emitida no próximo dia 28. Segundo analistas, é muito provável que Olmert vá para a cadeia.

De acordo com a denúncia da promotoria, Olmert recebeu dinheiro para mudar o zoneamento que permitiu a construção de apartamentos e benefícios fiscais de empreiteiras em Jerusalém.

Rival político do atual primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, Olmert era visto como uma alternativa de centro-esquerda ao Likud, partido do qual saiu para fundar o Kadima ao lado de Sharon, em 2005. Ele assumiu o cargo em 2006, após o derrame que vitimou seu antecessor. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.