Ex-primeiro-ministro russo foi envenenado, dizem médicos

O ex-primeiro-ministro russo Yegor Gaidar foi envenenado na última semana durante sua estadia na Irlanda com uma substância sintética, anunciaram nessa quinta-feira os médicos que trataram dele em uma clínica de Moscou. "Os médicos não encontraram razões naturais para o envenenamento de Gaidar. Mas, por enquanto, não puderam identificar a substância", disse Valeri Natarov, secretário do ex-chefe do governo russo, citado pela agência Interfax. No entanto, os especialistas afirmam que o diagnóstico definitivo sobre o que aconteceu com Gaidar não será conhecido até que seja divulgado o relatório dos médicos que trataram dele inicialmente na Irlanda. Por enquanto, Gaidar se recupera bem da misteriosa recaída que sofreu na última sexta em Dublin. "Está muito melhor. Esperamos que em breve receba alta", disse à EFE Leonid Gozman, número dois do partido liberal russo UDF, entre cujos fundadores está Gaidar, pai das reformas econômicas pós-soviéticas. María Gaidar, filha do ex-primeiro-ministro e líder de um movimento juvenil opositor, afirmou que "o mais provável" é que seu pai saia do hospital no início da próxima semana. "Ainda está com soro, mas já se sente muito melhor", afirmou à agência Interfax. Mal súbito Gaidar ficou doente subitamente na última sexta, quando realizava uma conferência em Dublin e teve que ser levado em caráter de urgência para uma unidade de cuidados intensivos de um hospital da capital irlandesa. Ele ficou inconsciente durante cerca de três horas e só na última segunda pôde ser enviado a um centro médico de Moscou cujo nome não foi divulgado. Sua súbita doença aconteceu no dia seguinte da morte em Londres do ex-espião russo Alexandr Litvinenko, em cujo corpo os médicos encontraram vestígios de polônio 210, um isótopo radioativo extremamente venenoso.

Agencia Estado,

30 Novembro 2006 | 17h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.