Ex-professor americano admite que ajudou grupo terrorista

Sami Al-Arian, ex-professor universitário da Flórida, se declarou culpado de fornecer apoio financeiro e material ao grupo terrorista palestino Jihad Islâmica e será deportado, segundo um acordo feito com as autoridades americanas divulgado na segunda-feira. O ex-professor admitiu ter arranjado "dinheiro, produtos ou serviços" para a Jihad Islâmica palestina, considerada pelos EUA um grupo terrorista. Um júri de Tampa, no litoral oeste da Flórida, absolveu em dezembro passado o ex-catedrático de oito de 17 acusações apresentadas pela Promotoria. O juiz James Moody aceitou os termos do acordo de culpabilidade e fixou uma audiência para 1º de maio. Linda Moreno, advogada de Al-Arian, disse que o acordo foi uma decisão familiar decorrente da experiência traumática vivida pela mulher do ex-professor e seus cinco filhos durante os mais de três anos em que ele ficou na prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.