Ex-rebeldes combatem Exército líbio

O Exército líbio informou ontem que ex-rebeldes tentaram pela segunda vez assassinar o novo comandante militar do país, o general Khalifa Hifter. Os rebeldes, que ontem combatiam os soldados do Exército perto do aeroporto de Trípoli, negaram as acusações.

TRÍPOLI, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2011 | 03h01

Segundo o porta-voz do Exército, sargento Abdel-Razik el-Shibahy, combatentes das montanhas da cidade de Zintan abriram fogo em duas ocasiões contra o comboio do general Hifter. Ele disse que um soldado foi morto e quatro ficaram feridos no segundo ataque.

Segundo os ex-rebeldes, eles não tentaram matar o comandante e atribuíram o ataque ao fato de o Exército não lhes ter comunicado que o general estava no comboio. "O que se espera de combatentes quando um comboio militar fortemente armado tenta passar pelas barreiras sem uma notificação prévia?", questionou o porta-voz dos milicianos, Khaled el-Zintani.

Os confrontos nas imediações do aeroporto, que foi ocupado logo depois que os revolucionários capturaram Trípoli, em agosto, são os mais recentes de uma série de violentos incidentes na capital que ilustra as dificuldades enfrentadas pelo governo de transição para forçar as milícias que ajudaram a derrubar o ditador Muamar Kadafi a se submeter às novas autoridades.

O Exército disse que tem tentado persuadir os ex-rebeldes a retornar para suas casas e, se possível, a integrar suas forças. Mas os militares não vão exigir a entrega das armas até que o governo interino atenda as promessas de criar empregos.

"Até agora, nós não sabemos nada sobre o Exército líbio. Quem está no comando, onde estão as bases militares ou mesmo como os rebeldes podem se juntar a ele", disse Zintani. "Para nós, o chamado Exército nacional não é nada."

"Se há um Exército real, porque não vai proteger as fronteiras em vez de ficar tentando tomar o aeroporto?", acrescentou o porta-voz. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.