Ex-senador admite corrupção em partido de Evo Morales

Dirigentes do partido do presidente boliviano, Evo Morales, foram acusados de suposto tráfico de influência no acesso a cargos públicos, cuja existência foi admitida neste domingo, 25, pelo ex-titular do Senado Santos Ramírez.O senador Ramírez, membro da Direção Nacional do partido de Morales, o Movimento ao Socialismo (MAS), disse que já "foram tomadas medidas" para esclarecer a prática corrupta "que infelizmente aconteceu e deve ser sancionada", segundo a estatal Agência Boliviana de Informação (ABI).Acrescentou que muitos dirigentes do MAS foram identificados como responsáveis pela cobrança para supostamente garantir o acesso de determinadas pessoas a diferentes cargos da administração pública.O próprio Ramírez foi implicado pela imprensa local neste assunto, mas hoje rejeitou todas as denúncias contra ele."Pela primeira vez no país temos um governo e um presidente com vontade política de lutar contra a corrupção", enfatizou o senador governista.Morales denunciou em várias ocasiões a corrupção de governos anteriores e se referiu a ela como "a principal inimiga dos bolivianos".A partir desta convicção, o Executivo elaborou um projeto de lei, pendente de ser debatido no Congresso, para declarar imprescritíveis os crimes de dano econômico contra o Estado e tipificar outros novos como o enriquecimento ilícito, o suborno e a legitimação de lucros ilegais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.