Ex-senador desiste e Romney deve ser o candidato republicano à Casa Branca

Definição. Rick Santorum diz que saúde da filha caçula foi determinante para que ele suspendesse sua campanha; decisão abre caminho para que o ex-governador de Massachusetts seja o adversário do presidente Barack Obama nas eleições de novembro

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2012 | 03h02

Ao desistir ontem da corrida presidencial republicana, o ultraconservador Rick Santorum abriu caminho para que o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney seja o adversário do presidente dos EUA, Barack Obama, na eleição de novembro. Santorum, que tinha poucas chances de superar o rival, disse que os problemas de saúde da filha caçula foram decisivos para que ele suspendesse a campanha.

"Acabou para mim. Tomamos a decisão no fim de semana. Apesar de a campanha ter terminado, continuaremos lutando", afirmou Santorum em Gettysburg, cidade da Pensilvânia e local de uma histórica batalha da Guerra Civil Americana.

Mas Santorum não deu apoio explícito a Romney. O gesto é considerado fundamental para que os republicanos tenham mais chances de derrotar Obama. No momento, o partido está dividido entre os moderados (pró-Romney) e os conservadores (pró-Santorum).

A base da campanha de Santorum era o respeito à família, o combate ao direito de aborto e a condenação ao casamento entre homossexuais. Segundo pesquisa do jornal The Washington Post e da rede ABC News, 52% dos republicanos queriam que ele continuasse na corrida, enquanto 43% preferiam vê-lo desistir.

Das 31 primárias estaduais já ocorridas, Santorum venceu 10 e tinha 285 delegados, de acordo com contagem do New York Times - o pré-candidato republicano que obtiver 1.144 delegados será o candidato a presidente pelo partido. Romney estava na frente com 661 delegados e vitórias em 19 Estados. O ex-presidente da Câmara Newt Gingrich e o deputado Ron Paul continuam na corrida, embora com poucas possibilidades de mudar o cenário.

Santorum perdera para Romney nas últimas três primárias - Wisconsin, Maryland e na capital, Washington. Sua estrutura de campanha, embora eficiente, era menos encorpada e apresentava uma dívida de US$ 4,5 milhões. Ontem, ele chegou a pedir a seus partidários contribuições para zerar o déficit. Favorito do establishment do partido, Romney está em uma situação financeira mais confortável.

Telefonema. O próprio Santorum informou Romney de sua decisão na tarde de ontem. Depois de ter acusado o ex-senador de ser ignorante em questões econômicas, Romney elogiou o rival e disse ter ficado surpreso.

"O senador Santorum é um concorrente capaz e digno e eu o parabenizo por ter participado dessa disputa. Ele provou ser uma voz importante no nosso partido e no país", afirmou Romney. "Nós dois reconhecemos que o mais importante é pôr as falhas dos últimos três anos (de governo de Obama) para trás e conduzir a América de volta ao caminho da prosperidade."

Santorum afirmou que desistiu porque precisava passar mais tempo com sua família, especialmente com a caçula Isabella, de 3 anos. Portadora de uma alteração genética rara, a menina recebeu alta na noite de segunda-feira do hospital onde havia sido internada na sexta-feira.

"O fim de semana foi um momento de orações e de reflexão, como quando nós decidimos entrar nessa disputa. (Minha mulher) Karen, eu e as crianças nos sentamos à mesa da cozinha e conversamos sobre nossas esperanças, temores e preocupações."

Santorum corria o risco de sofrer o sua maior derrota nas primárias: perder para Romney na Pensilvânia, seu Estado natal, que o elegeu senador em 2000 e recusou-se a reelegê-lo em 2006. Segundo a média das pesquisas de opinião, Santorum liderava a disputa estadual, com 37,5% das intenções de voto, mas Romney o seguia de perto, com 35,8%. O ex-presidente da Câmara Newt Gingrich afirmou que permanecerá na disputa.

Família. Simpatizante da Opus Dei, ala ultraconservadora da Igreja Católica, Santorum tem uma história familiar peculiar. Com Karen Garver, ele teve sete filhos, entre os quais Gabriel, morto após o parto. Na ocasião, o casal fez questão de dormir na cama do hospital junto ao corpo do menino e de apresentá-lo aos outros filhos antes de sepultá-lo. A caçula Isabella nasceu em 2008, quando Karen tinha 48 anos. Todos os filhos foram educados pelos pais em casa e não frequentaram escolas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.